30 de setembro de 2011

Resenha: O Arcano nove - Meg Cabot

Segundo volume da série, vocês podem ler a resenha do primeiro aqui.
Bom, para começar, essa resenha não terá muitos spoilers, mas mesmo assim, cuidado.
Para uma adolescente, trocar de cidade pode ser um trauma. Para Suzannah, a mudança de Nova York para Califórnia está sendo ótima: novos amigos, muitas festas e dois caras bonitões e muito interessantes. Só que um deles é um fantasma. E o outro pode matá-la. Suzannah é uma mediadora, uma pessoa capaz de se comunicar com os mortos e resolver as pendências deles na Terra. A velha casa para onde se mudou com a mãe e o padrasto é assombrada por Jesse, um fantasma jovem e gentil. Como Jesse não liga muito para ela (e, além do mais, está morto), Suzannah se entusiasma com o interesse de Tad Beaumont, o garoto mais cobiçado da cidade. Mas o fantasma de uma mulher, cujo assassinato pode ter relação com um mistério no passado de Tad, a atormenta. E a vida de Suzannah pode estar ameaçada. Ser adolescente é complicado. O que dizer de uma garota que precisa dividir sua atenção entre a própria vida e a morte dos outros?
No segundo volume, podemos ver um pouquinho mais de romance na vida de Suzannah. Vou ser bem rápida na resenha porque não tenho muito que falar. Vou me basear nas perguntas da Maratona.
Honestamente, o primeiro livro é melhor que esse. Ponto. Não que esse seja ruim, mas o primeiro é melhor.
Frustração da leitura nesse caso foi no inicio do livro onde tem muitas repetições sobre o que aconteceu no livro anterior. Eu imagino que a pessoa que leu o primeiro, não irá esquecer tanto da história para ler o segundo. E me irritou um pouco, principalmente na página 61 onde tem um parágrafo igual a um do livro anterior. E foi chatinho ter que reler diversas informações que eu já sabia.
Para me fazer esquecer isso, o Jesse está cada vez mais irresistível. Meu Deus! A Meg consegue gente, ela consegue. Ele é simplesmente de tirar o fôlego. Eu tenho peninha da Suzannah já que ele é um fantasma e ela hum, não.
A melhor cena, novamente, tem Jessie e Suzannah como protagonistas. Ela pode ser encontrada na página 111 do livro e é onde Jessie tem um pequeno ciúme do Tad. A cena vale a pena ser lida, relida e suspirada. É demais.
Enfim, a história é bem formulada, tem um mistério que eu achei bem criado e desenvolvido. Meg nos faz pensar uma coisa e daqui um pouco a história gira e tudo mais.
Eu adorei a reação do Jessie ao pai da Suzannah e ao Padre Dominic, achei hilário.
          -Você não pode dizer que está feliz aqui – falei – Você não pode dizer que gosta de estar preso neste quarto por cento e cinquenta anos.
-Não foi muito ruim – disse ele com um sorriso – As cosias melhoraram recentemente. (p.72)”

Tem outras quotes boas, mas eu estava sem post-its a maior parte da leitura. Li praticamente mais da metade do livro na escola.

"- A gente só estava se despedindo - sibilei para ele.
- Eu posso estar morto há cento e cinquenta anos, Suzannah, mas isso não significa que não saiba como as pessoas se despedem. E em geral quando as pessoas se despedem cada um fica com a língua na própria boca.
- Ah, meu Deus. - Virei de costas para ele e comecei a voltar para casa. - Ah, meu Deus. Ele não disse isso."

29 de setembro de 2011

E os vagalumes...

Oi,

Um texto meu para vocês hoje. Espero que gostem.


Quebra-cabeça incompleto


A pior de todas as sensações é a da dúvida. Por quê? Por quê? Por quê? É quando a menina consegue passar todas as noites revivendo todos os detalhes daquela história, procurando alguma pista escondida que possa se encaixar com o resto do quebra-cabeça. E o quebra-cabeça está cada vez maior e incompleto. Ela sabe com quem está as peças perdidas, aquelas que finalizarão com tudo, que o tornará uma obra de arte, ou não. As peças perdidas farão todas as outras terem sentido. Enquanto ela passa os dias na busca interminável atrás daqueles pedaços de história que estão escondidos na mente de personagens secundários, enquanto ela passa horas pensando, pensando e pensando no que poderia ter acontecido para seu mundo ter ruído. No fundo, uma parte dela sabe que só há um jeito de conseguir as peças perdidas, as páginas que ainda não foram escritas, a ponte que ligará os acontecimentos. Porque ela sabe quem está com as peças, ela sabe quem ainda retém informações, e quem está com os tijolos. Tudo isso ela sabe, e sabe que não é apenas uma pessoa que possui todas as informações, tem mais indivíduos envolvidos. Talvez mais ainda do que ela posso imaginar. Porém, ela sabe que precisará de muita coragem para correr atrás de tudo, e o que ela fará até conseguir é simples: Irá continuar a caçar escondida por informações, procurando em todos os cantos e cantinhos, ficará atenta a tudo que acontece, e quem sabe... Se ela tive sorte, não encontrará uma peça.  
----
Creio que não precise de muitos comentários. Queria saber a opinião de vocês sobre o texto e, é claro, sobre situações como essa, já passaram por alguma coisa parecida?
Gabi

28 de setembro de 2011

Resenha: A terra das sombras - Meg Cabot

Olá,
Ignorei minha lista de leituras um pouquinho para participar da Maratona da série A Mediadora que está acontecendo no blog Fly With Ni. Para ler mais sobre a Maratona é só clicar aqui.
Suzannah é uma adolescente aparentemente comum que tem um problema com construções antigas. Não é para menos. Afinal, muitas dessas casas velhas são assombradas. E Suzannah é uma mediadora, uma pessoa capaz de ver e falar com fantasmas para ajudá-los a descansar em paz. É claro que esse dom lhe traz muitos problemas. Mas nem ela poderia saber a gravidade do que encontraria ao mudar-se para Califórnia.
Eu já li a série toda, mas só de pensar em reler já fiquei toda animada. A leitura é bem leve e bem rápida, bem estilo da Meg.
A Suzannah, não é o tipo de personagem que costumamos ver nos livros da Meg. Ela não é muito feminina, não se preocupa em ser a mais popular da escola e não está desesperada para ter um namorado.
Suze acabou de se mudar de Nova York para a Califórnia, ela foi viver com o novo marido de sua mãe e seus novos três meio irmãos. E é claro que de NY para Califórnia, muitas coisas são diferentes.
E pensei: Jaqueta de couro e palmeiras. Não poderia estar acertando mais, exatamente como achava que ia mesmo... (p. 8)

Nem tudo está tão diferente, assim como em NY, Suzannah continua odiando prédios antigos, isso porque lá, tem mais chances de aparecerem fantasmas, e como ela é uma mediadora, é seu trabalho ajuda-los. E ela adora a surpresa quando vê que sua nova casa é um prédio antigo, onde – oba! – tem um fantasma morando no seu quarto!
Naturalmente, eu não sabia como me sentia ante a possibilidade de que meu primeiro beijo fosse dado por alguém do outro mundo, mas sabe como é, quem está em petição de miséria não pode ficar escolhendo, e posso garantir uma coisa, o Jesse era muito mais gracinha do que qualquer cara vivo que eu tinha conhecido. (p. 158)

E na sua nova escola – outro prédio antigo – ela é atormentada por uma fantasma que se matou porque o namorado havia terminado com ela. E a menina está louca atrás do namorado para o ver tendo o mesmo fim que ela.Mas o senhor nunca se apaixonou? Não sabe como é? Aquele cara passou ela para trás. Ela achava que eles iam se casar. Sei que parece bobagem, ainda mais que ela só tinha – quantos anos mesmo? Dezesseis? Ainda assim, ele simplesmente botou ela no chinelo. Se isso não é suficiente para levar uma garota a um acesso de fúria assassina... (p. 108)

Suze é daquelas meninas que não tem medo de dar uma lição em quem merece. Eu adoro ela! Ela tem umas tiradas muito legais, minha favorita é:
-O que? – fez ela, apertando os olhos. -Síndrome de Tourette – continuei. – É uma doença neurológica que faz as pessoas dizerem coisas que não querem dizer. Você tem isso? -Não. -Ah!... Então estava mesmo sendo grosseira de propósito... (p. 86)

E assim como em todos os livros da Meg, tem um menino de tirar o fôlego. Só que desta vez não é um menino, e sim um fantasma. Jesse para ser mais exata. Ele é de arrancar suspiros de qualquer uma que lê. Só com os seus hermosa, eu já me sentia sem ar. Ele é do tipo perfeito, príncipe encantado misterioso.

Seguindo a ficha de perguntas da Maratona, minha cena favorita é a que (tentando não dar spoilers, tentando não dar spoilers) o Jesse impede a Suzannah de ir para a escola durante a noite pela primeira vez. Quando ela vai tentar “conversar” com a fantasma. Essa é sem dúvida minha cena preferida.

A frustração da leitura não é algo que atrapalha a leitura e sim algo que me incomodou. O nome verdadeiro do Jesse. Arghhhh, não vou contar aqui para vocês para não acabar com a história, mas poxa Meg... Não tinha um nome melhor?

Desde a primeira vez que eu li até agora, eu vi uns episódios da série Ghost Whisperer, e não pude deixar de notar que são bem parecidas, por falarem do mesmo tema. Então direi que A Mediadora é um Ghost Whisperer juvenil.

Recomendo bastante a leitura, é diferente do que a Meg costuma a escrever, mas a história é muito boa.

27 de setembro de 2011

"Entre Parêntesis" #6

Oi,

Mais uma série de frases para vocês. Eu posso passar um grande tempo só procurando frases na internet, é um hobby :). Essas eu peguei em uma noite que não estava muito bem e queria alguma coisa para me distrair e me animar, espero que gostem:

1) "Dance como se ninguém olhasse. Cante como se ninguém ouvisse. Ame como se nunca tivesse se magoado e viva como se o céu fosse na Terra" — Mark Twain

2) "Eu sou egoísta, impaciente e um pouco insegura. Eu cometo erros, eu sou incontrolável e difícil de lidar. Mas se você não me aguenta quando eu estou mal, então você não me merece quando eu estou bem." — Marilyn Monroe

3) Você nunca sabe que resultados virão da sua ação. Mas se você não fizer nada, não existirão resultados - Mahatma Gandhi

4) Aprende que não importa em quantos pedaços seu coração foi partido, o mundo não pára para que você o conserte. Aprende que o tempo não é algo que possa voltar. Portanto, plante seu jardim e decorre sua alma, em vez de esperar que alguém lhe traga flores. - William Shakespeare

5) Não importa o que aconteça na vida, seja bom para as pessoas. Ser bom para as pessoas é um maravilhoso legado para deixar para trás. - Taylor Swift

Qual é a favorita de vocês?

Gabi
 

26 de setembro de 2011

Da livraria para a minha estante #11

Oi,

Umas semanas atrás a Submarino fez uma promoção muito louca de livros, e eu não pude deixar de aproveitar para conseguir uns livros que queria fazia um tempo.

Fallen e Tormenta da Lauren Kate.

Eu achei os livros lindos! Ambas as capas são muito bem trabalhadas e a imagem dá um mistério que me fez ficar mais curiosa ainda para ler. A textura também é bem legal, me lembrou a de Elixir da Hilary Duff. Bem macia.


Sereia - Tricia Rayburn

Esse livro esteve na minha lista de desejos um tempo atrás, mas como eu sempre arrumava outro melhor para comprar e tal, acabei deixando de lado. Agora finalmente tenho ele!! A capa é linda! Os olhos da menina e o título são brilhantes. Digamos que os olhos assustam um pouco se ficar encarando por muito tempo rsrs

E esse último eu ganhei de presente de aniversário semana passada:

Amores Infernais - Vários Autores

A capa e a diagramação seguem o mesmo esquema de Formaturas Infernais, já que fazem parte da mesma coleção. Gostei que eles conservaram a mesma letra para o título, fica super bonito na estante um ao lado do outro. Eu estou louca para ler o conto do Scott Westerfeld!

E por fim, esse que eu ganhei dos meus avós:

Liberte meu Coração - Meg Cabot

A capa desse livro é linda demais. Dá uma vontade extra para ler o livro. E a lombada dele é muito linda também, fica bem legak na estante. Depois eu tiro uma foto e coloco aqui no post.

Já leram algum deles? O que me dizem?

Gabi

25 de setembro de 2011

Book Blogger Hop #21

Meme do blog Murphy's Library.

A pergunta dessa semana eu achei muito interessante, ela é:

Qual é a reação das pessoas ao perceberem o seu nível de amor pelos livros? Espanto? Admiração? Acham que o dinheiro foi mal gasto?

Depende bastante da pessoa com quem eu falo. Se é alguém adulto ou que goste de ler um pouco, ficam admirados e acham bem legal que eu leio bastante e tudo mais. Mas, por exemplo, quando eu estou lendo alguma coisa na sala de aula, e alguém chega para me perguntar o que é e olha o número de páginas ou já pergunta se é um livro diferente do que o do dia anterior ou quando veem que é em inglês, eles ficam "Como tu consegue ler isso?". E quando as pessoas falam que é dinheiro mal gasto eu dou O discurso. Não me importo de ficar três mil horas falando com a pessoa, eu vou falar que não é mal gasto e tudo mais. Eles realmente não entendem essa minha paixão por livros.

Foi isso por hoje! Isso também acontece com vocês? O que as pessoas dizem?

Gabi

24 de setembro de 2011

Resenha: Minha Vida Fora de Série - Paula Pimenta

Editora: Gutenberg


Paula Pimenta mais uma vez conseguiu me surpreender. Não sei nem como elogiar esse livro, faz menos de cinco minutos que terminei o livro e ainda estou com um sorriso bobo no rosto.
Comecei a ler ontem a noite e não consegui soltar o livro até terminar. Fiz pequenas pausas para não ter um ataque de choro, fazer o tema de química e fazer com que a leitura durasse mais.
Mudar de cidade sempre é difícil, mas fazer isso na adolescência é algo que deveria ser proibido. Como começar de novo em um lugar onde todos já se conhecem, onde os grupos já estão formados, onde ninguém sabe quem você é? A princípio, Priscila não gosta da ideia, mas aos poucos percebe que pode usar isso a seu favor, tendo a chance de ser alguém diferente. Mas será que o papel escolhido é aquele que ela realmente quer representar? Aos poucos, Priscila percebe que o que importa não é o lugar e sim as pessoas que vivem nele.
Eu amei o livro. Já está sem dúvida na lista dos melhores do ano, junto com toda a coleção FMF. A Paula Pimenta consegue ser incrível e impecável a cada página. Como eu já tinha lido Fazendo meu Filme e esse livro acontece antes, é previsível como tudo irá terminar, mas eu adorei conhecer as personagens uns anos antes. Principalmente a Priscila que aparece pouco na outra série, mas suas participações são muito importantes.
Falando sobre a Priscila, eu adorei ela. Vi muitas características minhas nela, muitas mesmo. E eu chorei junto com ela, senti raiva junto com ela, me apaixonei junto com ela e senti tudo com ela.
Falando em apaixonar... Meu Deus! A Paula Pimenta conseguiu criar um personagem mais fofo que o Leo!! O Rodrigo é simplesmente um sonho. Mas, ele também é bem real. E sendo um menino bem real, eles nem sempre sabem como fazer tudo direitinho. Contudo eu o achei bem maduro para a idade, queria que os meninos que eu conheço fossem assim. Juro que seria bem mais fácil.
Enquanto eu me aproximava ao final do livro – mais especificamente capitulo 41 se alguém ficar curioso – eu senti uma incrível semelhança com a minha vida. Acho que a Paula andou xeretando meus históricos no MSN, porque nossa! É muito igual, muito mesmo. É como se só trocasse os nomes e umas palavras e as músicas e pronto, está minha conversa de muitos meses atrás.
E por ser um livro que se passa no Brasil, podemos relacionar muito com a nossa vida mesmo. É muito diferente do que ler livros ambientados nos Estados Unidos, por exemplo, e em minha opinião, a Paula Pimenta supera muitas autoras/autores estrangeiros e é muito melhor ler um livro ambientado aqui.


E quanto aos outros personagens do livro, eu adorei todos! Eu queria ter uma professora como a da Pri haha.
Já estou me estendendo demais, como sempre, mas eu simplesmente tenho páginas e páginas que poderia preencher falando como esse livro é perfeito. E eu recomendo com todas as minhas forças para todo mundo. Leiam. Não vão se arrepender.

23 de setembro de 2011

Top 5: Livros para chorar

Olá,
No Top 5 desse mês eu resolvi fazer sobre livros para chorar. Já devem ter percebido que não é difícil eu chorar em um livro, porém, tem uns que merecem um lugar na lista.
1)    Um Amor para Recordar – Nicholas Sparks 
A história é uma das mais lindas que eu já li, e o melhor livro do Nicholas Sparks que eu tenho. Fiquei chocada com tudo o que acontece e chorei litros d’água. E cada vez que eu penso na história ainda me dá um aperto no coração e tal. É literalmente, muito linda. Recomendo muito.

2)    Um Dia  - David Nicholls A história também é linda. E na parte que eu realmente comecei a chorar, eu tive que largar o livro por uns minutos para me recuperar do choque. É totalmente inesperado. O livro é muito bem escrito, e é fácil arrancar umas lágrimas do leitor.
3)    Fazendo meu Filme – Paula Pimenta
Esse consegue entrar em todas as listas rsrs. A história dele não é como a dos outros, mas me faz chorar porque é exatamente a minha realidade, então as decepções da Fani, são as minhas. Quando ela chora, eu choro junto. E assim vai, rios de lágrimas durante os três volumes já lançados.
4)    Diário de uma Paixão – Nicholas Sparks
O livro em si não é triste, mas é lindo. E eu chorei por ser lindo, e por ser mágico e por querer tudo aquilo. Eu sou emotiva – grande novidade – e me emocionei muito com esse livro porque o amor que o Nicholas criou foi demais para o meu coração.
5)    Crescendo – Becca Fitzpatrick
Provavelmente muitos vão discordar comigo nesse livro. Mas eu chorei horrores. Acho que porque eu estava passando pela mesma situação da Nora na época – e agora – com as Marcies Millars da vida e eu realmente entrei na personagem dela e senti tudo aquilo em dobro. Talvez não seja um livro que todos chorem, mas tentem ver pelo ponto de vista da Nora e entenderam. E eu também acho que muitos já passaram por isso também.
Caso discordem total, uma outra opção para esse lugar seria:
A Última Música – Nicholas Sparks
Chorei de soluçar nesse livro. A história é tão surpreendente e triste que acho que ninguém consegue segurar as lágrimas. O Nicholas Sparks conseguiu mais uma vez criar uma linda história que realmente toca o leitor.
Quais são seus melhores livros para chorar?
Gabi

22 de setembro de 2011

E os vagalumes...


Oi,
No E os vagalumes de hoje eu vou fazer minha interpretação de uma frase do livro Caching Fire (Em Chamas) da Suzanne Collins.
“Because sometimes things happen to people and they’re not equipped to deal with them” – Catching Fire
“Porque às vezes acontecem certas coisas que as pessoas não estão preparadas para lidar.”
Acho que o que a frase quer dizer, para mim, é que muitas vezes somos surpreendidos por certos acontecimentos e ficamos sem saber como agir perante aquilo. Coisas que não esperávamos acontecem e ficamos meio perdidos, e confusos. E isso pode ser lido no lado bom ou ruim. O bom seria quando muito bom acontece, porém não sabemos como lidar com a nova situação. E o lado ruim é quando somos surpreendidos por alguém com uma decepção – na maioria das vezes – e vemos nosso mundo inteiro chacoalhar e perdemos a noção do que realmente é real.
Por exemplo, alguém te decepciona pela primeira vez de uma maneira inexplicável, ou a pessoa tem seu coração partido pela primeira vez – ou segunda, terceira – e após o abalo, após o terremoto, acho que ficamos sem saber como lidar com aquela tristeza. O que fazer agora? Seguir em frente ou tentar mais uma vez? Desculpar a pessoa ou não? Acho que são essas e muitas outras perguntas que pousam em nossa mente após uma decepção, e não sabemos como lidar com isso porque ainda não conseguimos responder a pergunta.
E essas perguntas são com que não conseguimos lidar, ter de ficar repetindo-as todo o tempo, e elas são muito difíceis de responder. E acho que quando conseguirmos responder, teremos lidado com a situação.

21 de setembro de 2011

Resenha: Numbers, tempo de fuga - Rachel Ward

Editora: iD


Sempre que Jem conhece alguém novo, não importa quem, logo que ela olha em seus olhos, um número aparece em sua cabeça. Esse número é uma data: a data em que essa pessoa vai morrer. Sobrecarregada com tal consciência terrível, Jem evita relacionamentos. Até que ela conhece Spider, outro estranho, e ganha uma chance. Mas, enquanto eles estão esperando para embarcar no Eye Ferris Wheel, uma roda gigante, Jem percebe que todas as pessoas da fila possuem o mesmo número. A data de hoje. Terroristas vão atacar Londres. O mundo de Jem está prestes a explodir!
Eu comprei esse livro por impulso. Já tinha visto a capa e a sinopse, mas não necessariamente iria comprar. Quando comprei, me apaixonei mais e mais pela capa e pela diagramação interna do livro. A iD está de parabéns.
A história é muito boa também. Jem é uma menina antissocial que não gosta muito de pessoas e é muito durona. E assim convivemos com ela durante boa parte do livro, porém, ninguém é durona para sempre e conforme os acontecimentos vão ficando cada vez piores pro lado dela, seu lado sentimental começa a vir a tona.
Uma coisa que torna a leitura um pouco chata é a incrível repetição da palavra “cara”. Tem em praticamente em todos os diálogos entre a Jem e o Spider. Todos. Não sei se no texto original em inglês é mais diversificado ou se é repetitivo mesmo, mas fica irritante depois de certo ponto.
Deixando esse detalhe de lado, depois de um tempo a história te prende de um modo incrível e é impossível parar de ler. Eu ficava querendo saber o que vai acontecer, o que vai acontecer e tudo mais. E de uma forma ou outra, o livro é previsível, mas eu fiquei bolando maneiras com que não acontecesse o que já sabemos que acontece. Confusos? Se eu falar mais estarei dando spoilers.
E pensamos como a Jem se sente também, sabendo a data que as pessoas ao seu redor vão morrer. E de uma forma ou outra, consegui entender o porquê dela ser tão durona e fechada.
Eu recomendo o livro, não é um must read, mas é um ótimo livro.

20 de setembro de 2011

Da livraria para a minha estante #10 + Meme

Olá!

Eu tinha saido umas semanas atrás para comprar o Minha Vida fora de Série da Paula Pimenta, chegando na livraria, o livro ainda não tinha chegado e tal. Com o final de trimestre e provas e tudo mais, acabei não saindo mais. Aproveitei o feriadão aqui no RS da Revolução Farroupilha e fui no shopping hoje.

Entrei na livraria e tive uns bons dez minutos de tristeza enquanto procurava desesperadamente o livro por todas as prateleiras. Nada, nada e nada.

Até que a minha mãe achou o ÚNICO volume disponível da livraria, e ele ainda estava escondido. Provavelmente alguém escondeu para pegar depois. Ops, sorry.

Livro comprado e sorriso no rosto. O livro é lindo, a capa e a contracapa são estilo FMF, perfeitas. E como diz a Monique do FWN, não tem sensação melhor do que comprar o último livro da livraria.

Minha vida fora se série - Paula Pimenta - Gutemberg

Aproveitando o post, a Monique do Fly With Ni me passou um meme bem legal. Aqui vão as minhas respostas:

1) Fale 3 coisas que você adora fazer:
Ler, escrever e ouvir música.

2) Fale 3 coisas que você adora comer:

Arroz, massa com molho vermelho, alface

3) Fale 3 filmes que você adora:
Um amor para recordar, Diário de uma Paixão e Titanic.

4) Fale 3 livros que você adora:

Odeio essas perguntas... Escolher só 3 é um crime, mas aqui vamos nós: Jogos Vorazes - Suzanne Collins, Fazendo meu Filme - Paula Pimenta e Delirium - Lauren Oliver

5) Fale 3 séries de tv que você adora:
Pretty Little Liars, Gossip Girl e Ghost Whisperer.

6) Fale 3 músicas que você adora:
Escolher três músicas também é um pecado, mas vou colocar as que eu mais estou escutando nesse fim de semana:
- Better than Revenge - Taylor Swift (go taylor!!)
- Don't Panic - Coldplay
- She'll be loved - Maroon 5

7) Ofereça o meme a no mínimo 3 blogs que você adora:
Mundo da Leitura

Chá das cinco e quinze
Book Addict

Então é isso, ainda estou brilhando de felicidade com meu livro novo, a sensação de comprar o último ainda não foi embora... É muito boa.

Gabi

18 de setembro de 2011

Resenha: Em Chamas - Suzanne Collins

Sempre quando lemos um livro perfeito e vemos que tem uma continuação, eu pelo menos, fico com receio da continuação estragar a história. Começei a ler Catching Fire com esse medo de estragar a perfeição que tinha sido o primeiro livro. Porém, estava totalmente errada. O livro é perfeito, extremamente bem escrito e contagiante.
Se ainda não leu Jogos Vorazes, essa resenha pode conter spoilers.
Após Katniss vencer os Jogos de uma forma inovadora e rebelde, ela e Peeta são os mais novos queridinhos dos Distritos. Porém, menos da Capital, que não fica muito feliz com as atitudes deles. Com o Quarter Quell (não sei realmente como eles traduziram para o português) se aproximando, os Jogos Vorazes será muito diferente esse ano. E as ideias de revoluções se espalham com rapidez pelos distritos.
Por onde começar? Acho que dizendo que a Suzanne Collins é um gênio.
A Katniss, li algumas resenhas comentando sobre o comportamento dela no inicio do livro e preciso dizer que discordo. Ela continua sendo uma ótima personagem, muito forte tanto física quanto emocionalmente. O peso que ela carrega nas costas é imensurável. E ainda mais no lado do amor. Fingir o romance com o Peeta nas câmeras e seu relacionamento de amizade com Gale.
Falando sobre Peeta e Gale, eu achei o triângulo amoroso muito bem escrito e desenvolvido. Isso é um grande abismo que muitos escritores acabam caindo ao escrever um triângulo amoroso chato – Crepúsculo feelings... -  Todavia a Suzanne Collins conseguiu fazer um perfeito. Devo dizer também que sou totalmente a favor de Katniss e Peeta ficarem juntos.
As reviravoltas durante a história, tudo, tudo tudo tudo, é bem pensado e desenvolvido. Fiquei realmente sem fôlego enquanto chegava perto do final e não consegui soltar o livro até terminar ele de vez.
As ideias de revolução que começaram quando Katniss e Peeta desafiaram a Capital no final do primeiro livro, se tornam muito mais evidentes nesse, e eu espero que continuem marcando presença no terceiro e último livro da série, cujo qual eu já falei aqui.
Finalizando, eu recomendo esse livro e a série. Leiam, não vão se arrepender.

17 de setembro de 2011

Book Blogger Hop #20

Meme do blog Muphy's Library.

A pergunta dessa semana é:

Você tem o costume de comprar livros de sebo ou livros usados no geral?

Não tenho esse costume. Nunca fui em nenhum sebo daqui, portanto não tive a oportunidade de ver se tem algo bom. Meu professor de literatura falou um tempo atrás sobre uma rua que tem vários, eu queria dar uma olhada, mas ainda não fui. Talvez daqui uns dias, eu não posso comprar mais nada, fiz uma proposta comigo mesma de deixar para comprar na feira do livro de POA, mas já quebrei ela com a super ultra mega oferta de livros que deu na submarino ontem. Mas quero conferir os sebos daqui ainda esse ano.

E vocês? Tem o costume de comprar livros usados?

Gabi

15 de setembro de 2011

E os vagalumes... #21


Oi,

Hoje é o tipo de dia que eu fico indecisa. Tinha um texto já selecionado desde a semana passada, porém, também tenho uma frase que queria comentar. O que escolher, o que escolher? Decidi o texto. Já que a frase é do Catching Fire e eu ainda não postei resenha, vou postar o E os vagalumes... com ela após a resenha.

Portanto, hoje vou postar o texto.

"Três minutos. Nem mais, nem menos. Exatamente três minutos. Foi o que durou minha felicidade naquela noite. Estúpida eu, em acreditar que talvez meu conto de fadas estivesse batendo na porta. Ridícula de a minha parte pensar que talvez, muito talvez, você tenha se arrependido. Rá rá rá, está ouvindo isso? É meu subconsciente rindo de mim. Por que, diga-me o porquê isso teria acontecido? Por que ele teria se arrependido? Por que de repente, o céu iria clarear tão rapidamente e as nuvens desapareceriam de uma forma completa e eficaz. Humpf, quando será que meu coração irá parar de agir assim? Quando ele parará de se comprimir cada vez que isso acontece? Já não aprendeu que é apenas uma, brincadeira? Apenas. Uma. Brincadeira. Aprendeu? Ótimo, assim, da próxima vez que alguém resolver brincar com meu coração, ele vai aprender que nem todos os jogos são legais. Alguns machucam um pouco, dependendo de com quem se joga. E eu não quero mais ser machucada, não por quem só vê nisso, graça. "
Comentário:
É... Eu escrevi isso com MUITA raiva. Simplesmente muita raiva. Sabe quando a gente chora de tanta raiva? Pois é, eu estava chorando de raiva quando escrevi. Acho que no fundo, no fundo. Ainda não consegui jogar o livro todo no fogo, apenas partes. E eu estou colocando, aos poucos, mas naquela noite foi como se a chama da esperança tivesse sido rapidamente acendida e três minutos depois, uma tempestade apareceu a apagou. Simplesmente e rapidamente assim, três minutos. E eu achei incrível porque em três minutos eu consegui me iludir tanto, mas tanto que a decepção foi gigante.
Acho que isso acontece não apenas comigo. Quando vemos algo indo embora e não queremos ver, qualquer sinal de uma volta faz um sorriso aparecer. Faz nossas esperanças incendiarem nosso coração e como sinal de que a vida não é um conto de fadas, a decepção chega pouco tempo depois.
Espero que tenham gostado do texto! Isso já aconteceu com vocês?
Gabi
obs. isso aconteceu umas duas semanas atrás então a raiva principal já passou. Mas eu ainda sinto raiva porque eu fui muito boba e estúpida naquela noite.


14 de setembro de 2011


Meme semanal hospedado pelo Lost In Chick Lit, onde compartilhamos algumas informações sobre a nossa semana literária. Tem como principal objetivo incentivar a interação entre os blogs literários brasileiros, fazer amizades e conhecer um pouquinho mais sobre o gosto de outras pessoas apaixonadas pela literatura.






É o seguinte. Eu estava sem muitos posts prontos e estou agora retomando meu ritmo de leitura - resenhas em breve - e sempre tive vontade de fazer esse meme. Então, será o seguinte, eu não irei responder semanalmente e sim quando abrir um espaço nos meus posts e quando eu tiver vontade. ♥ Leitura do momento:
Catching Fire – Suzanne Collins

♥ Li essa semana:
Revolução dos Bichos

♥ Resenhei essa semana:Revolução dos Bichos -
resenha

♥ Super Posts:
Um pouco mais sobre... Nicholas Sparks

♥ Ultima Compra: Numbers – Rachel Ward e Orgulho e Preconceito – Jane Austen

♥ Desejo Comprar Urgentemente:Minha vida fora de série – Paula Pimenta

♥Conversa imaginária com personagem fictício:Katniss... O Peeta é tão fofo!

♥Eu falaria para o autor:
Suzanne Collins, parabéns pelo seu triângulo amoroso nada chato.

♥ Estado de Espirito Literário:Animada.

♥Literary Crush Peeta.

♥ Feito da Semana: Avançar bastante na minha leitura e me animar muito para ler tudo o que tenho na estante.


♥Queria ver no Brasil:Sisterhood Everlasting – Ann Brashares

♥ Im in mood for... (gênero literário do momento):Romance.

♥Hey Mr, Postman (ultima coisinha que chegou do correio):Não chegou, eu fui buscar na livraria Numbers e Orgulho e Preconceito.

♥Super Quote:


Because sometimes things happen to people and they’re not equipped to deal with them” – Catching Fire

“Porque as vezes, acontecem coisas que as pessoas ainda não estão preparadas para lidar.”


Vi e viciei (booktrailers, trailers, videos whatever:


Gostaram? Como foi a semana de vocês?
Gabi
Obs. Ou melhor, a meia semana né... Estou postando isso na quarta rs

13 de setembro de 2011

Um pouco mais sobre.... Nicholas Sparks

Eu sempre quis fazer um post assim, falando mais sobre autores que eu gosto. Porém, a preguiça sempre esteve presente que me impediu de postar antes. Todavia, resolvi começar agora. Todo mês irei falar um pouco sobre algum autor/autora. O escolhido desse mês é o Nicholas Sparks porque eu amo demais os livros dele.

Nicholas Sparks nasceu em Omaha, Nebraska no dia 31 de dezembro de 1965. Filho de Patrick Michael e Jill Emma Marie. Quando criança, Nicholas viveu em Minnesota, Los Angeles, e Grand Island, Nebraska. Quando tinha oito anos se estabilizou em Fair Oaks, Califórnia.

Após quebrar o recorde de corrida de revezamento na sua escola, ele se machucou e ficou o verão se recuperando. Durante aquele verão, Nicholas escreveu seu primeiro romance, porém, esse nunca foi publicado.

Nicholas se formou em Economia no ano de 1988 pela Universidade de Notre Dame. Ele conheceu sua esposa Catherine nas férias de primavera do mesmo ano, e casaram-se em julho de 1989. Enquanto o casal morava em Sacramento, ele escreveu seu segundo romance, que também, nunca foi publicado.
Durante os três anos seguintes, ele teve diversos trabalhos. Em 1992, ele começou a vender produtos farmacêuticos e se mudou para Carolina do Norte. Com 28 anos, ele escreveu Diário de uma Paixão, livro que demorou seis meses para ser finalizado. Os direitos foram vendidos para a Warner Books em outubro de 1995 e publicado em 1996. E então, ele seguiu publicando os seguintes livros:

-Message in a Bottle – 1998
-Um amor para Recordar – 1999 (resenha)
-The Rescue – 2000
-A Bend in the Road – 2001
-Noites de Tormenta – 2002
-The Guardian – 2003
-The Wedding – 2003
-O Milagre – 2005 (resenha)
-At First Sight (sequencia de O Milagre) – 2005
-Querido John – 2006
-The Choice – 2007
-The Lucky One – 2008
- A Última Música – 2009
-Safe Haven – 2010

Seus livros já foram traduzidos para mais de 45 idiomas. Seu próximo lançamento será The Best of Me, previsto para outubro de 2011 nos EUA.

Curiosidades dos livros já publicados no Brasil:

A Última música:
-Miley Cyrus foi quem escolheu o nome Ronnie para sua personagem.
-Nicholas escreveu o roteiro do filme antes de escrever o livro.
-A Última Música é o romance mais longo que Nicholas já escreveu.

Querido John:
- O sobrenome de John – Tyree – foi um amigo de infância do Nicholas.
- O personagem do John foi inspirado em um primo do Nicholas chamado Todd Van.
- Savannah é o nome de uma das filhas do Nicholas.

O Milagre:
-Boone Creek – o local onde se passa a história – é uma localização fictícia na Carolina do Norte.

Um Amor para Recordar:
-Ele deu o nome para personagem de Jamie em homenagem a sua agente Jamie Raab.
-Landon é o nome do seu terceiro filho.
-Nicholas gravou sua própria versão para o livro em áudio.

O que acharam do post? Qual é o próximo autor que vocês querem ver por aqui?

Gabi

12 de setembro de 2011

Resenha: Revolução dos Bichos - George Orwell

Editora: Companhia das Letras 
Esse foi um livro solicitado para a escola. Eu não achei nenhuma sinopse que não desse milhões de spoilers e não fosse muito extensa. Então comentarei sobre o livro durante a resenha. Eu comecei o livro com um pé atrás pelo fato de não gostar muito de livros/filmes onde animais falam. Tirando Alice no país das maravilhas e alguns desenhos animados, mas em parte, eu não gosto.
       É um livro bem diferente do que eu costumo ler e resenhar no blog, então a resenha será diferente, todavia, não vi porque em não fazê-la.
      Os animais da Granja do Solar estão revoltados devido aos mal tratos do seu dono. O Major, um porco muito velho, teve um sonho onde os bichos fariam uma Revolução e criariam uma sociedade igualitária. Ele compartilhou com os outros animais o sonho e criaram na mesma noite a música “Bichos da Inglaterra”.
            O Major morre, mas a ideia de Revolução permanece viva. Até que um dia, os bichos conseguem expulsar seu dono da fazenda e impõe a nova sociedade igualitária, chamada de Animalismo.
            O livro possui uma forte crítica ao socialismo e a Revolução Russa. Os princípios do Animalismo podem ser facilmente comparados com os princípios do Socialismo.
            Até uma parte, tudo vai bem. Todos os animais possuem alimentos suficientes, participam de todas as reuniões e tudo mais. Até que o porco Napoleão resolve armar para cima do porco Bola de Neve, expulsando-o da fazenda. E então, Napoleão começa a implementar uma espécie de Totalitarismo na fazenda. Modificando os mandamentos iniciais e contradizendo tudo o que eles disseram no inicio da Revolução.
            A crítica é extremamente bem escrita e ao mesmo tempo, é muito fácil de relacionar o livro com a Revolução Russa. George Orwell, não queria realmente esconder o que pensava de tudo aquilo. A leitura é rápida e flui com facilidade. Eu me surpreendi bastante com o livro, comecei com uma ideia e terminei com outra. O final realmente me surpreendeu bastante.
            Eu não recomendaria para todos. Mas quem gosta de livros desse estilo, vale a pena ler. Mas avisando que é muito diferente do que estou acostumada a ler e a resenhar. Quando ler, deve ler com outra mente e com um fundo histórico.

11 de setembro de 2011

Lançamento: A Esperança

A Esperança, terceiro e último volume da série Jogos Vorazes por Suzanne Collins.

A Esperança - Suzanne Collins - Rocco

Depois de sobreviver duas vezes à crueldade de uma arena projetada para destruí-la, Katniss acreditava que não precisaria mais de lutar. Mas as regras do jogo mudaram: com a chegada dos rebeldes do lendário Distrito 13, enfim é possível organizar uma resistência. Começou a revolução.

A coragem de Katniss nos jogos fez nascer a esperança em um país disposto a fazer de tudo para se livrar da opressão. E agora, contra a própria vontade, ela precisa assumir seu lugar como símbolo da causa rebelde. Ela precisa virar o Tordo.

O sucesso da revolução dependerá de Katniss aceitar ou não essa responsabilidade. Será que vale a pena colocar sua família em risco novamente? Será que as vidas de Peeta e Gale serão os tributos exigidos nessa nova guerra?

Acompanhe Katniss até o fim do “thriller”, numa jornada ao lado mais obscuro da alma humana, em uma luta contra a opressão e a favor da esperança.

Vamos combinar que a Rocco errou feio na tradução do nome. O original, Mockingjay cairia bem melhor nesse caso. Eu só li o primeiro então nem cheguei ler a sinopse. Mas meu próximo da lista é Catching Fire.

O lançamento está previsto para 4 de outubro.

Já está em pré venda em diversas livrarias.

Estão animados para o último volume da série? Quais são as espectativas?

Gabi

10 de setembro de 2011

Book Blogger Hop #19

Meme do blog Murphy's Library

A pergunta dessa semana é:

Que livro você quer muito que seja lançado em breve no Brasil?

Delirium da Lauren Oliver. É um dos melhores livros que eu li esse ano e queria que mais pessoas tivessem acesso a ele. A história realmente faz o leitor pensar - assim como Antes que eu vá - e daria ótimos tópicos de discussão. Como eu nunca consigo escolher apenas um, outro que eu queria ver no Brasil assim que possível é Sisterhood Everlasting da Ann Brashares, um quinto volume para a série da Irmandade das Calças Viajantes. Eu falei mais sobre ele aqui.

Essas são as minhas escolhas, e vocês? Qual livro querem ver sendo lançado no Brasil?

Gabi



9 de setembro de 2011

"Entre Parêntesis" #5

Olá,


Mais um Entre Parêntesis aqui no blog! Como meu ritmo de leitura ainda está lento, esses posts vão preencher um pouco o espaço aqui. E, eu adoro fazer eles!!


1) É engraçado como depositamos tanta confiança e tanto sentimento nas pessoas. Em pessoas que achávamos conhecer, mas, que no fim, só mostraram ser iguais a todos. E por esperar demais, sonhar demais, criar expectativas demais, sempre acabamos nos decepcionando e nos machucando cada vez mais. - Dalai Lama

2) Nossas dúvidas são traidoras e nos fazem perder o que, com frequência, poderíamos ganhar, por simples medo de arriscar.

3) Não são os sentimentos que te causam dor, nem as pessoas. O que te maltrata é descobrir que as pessoas não têm sentimentos.

4) Agora eu sei que tenho um coração, porque ele está doendo. - O Mágico de OZ

5) Apesar de cruel, duvidoso e infeliz, ás vezes, o destino não erra. - Gossip Girl



6) ''Eu sinto sua falta, mas talvez isso não seja suficiente para as coisas serem como eram antes.''

7) A maioria das pessoas acha estúpido quando você ainda ama o menino que te magoou tanto, mas as vezes, você não consegue controlar o que seu coração sente.


Realmente espero que vocês tenham gostado, as frases dessa semana realmente estão significando muito para mim. Qual é a favorita de vocês?

Gabi

8 de setembro de 2011

E os vagalumes...


Como eu venho dizendo em uns posts e eu estou bem sentimental nos últimos dias.  Bom, isso vem em sentido de que algumas pessoas realmente, não pegam leve na hora de magoar. E mesmo que elas nem percebam o que estão fazendo, magoa muito. É triste ver uma amizade se partir, mas as vezes, perdão não é o suficiente para esquecer.

Então, eu escrevi vários textos durante esse período, e sei que vou escrever bem mais. Mas, aqui está um deles. Acho que fala o suficiente.

E o mundo parece desmoronar a minha volta. Nada mais faz sentido, meus olhos apenas veem algo embaralhado e confuso. Minha mente não consegue decifrar. A confiança é algo extremamente raro de eu dar, e uma vez concebido significa que eu confio com todas as minhas células. Porém, pessoas tem o incrível dom de brincar com o fogo. E querem saber o que acontece? Uma hora se queimam. A confiança que eu concedi com todo amor e dificuldade, uma vez quebrada, desculpe, mas nunca a verá de volta. E agora, enquanto lágrimas rolam dos meus olhos já inchados, enquanto meu coração está despedaçado, enquanto minha visão de mundo está abalada, eu realmente sinto que preciso de um tempo.
Espero que tenham gostado, e é aquelas coisas né, quando uma dá errado cai tudo junto. É como um dominó. É triste ver, vocês não fazem ideia. Então, se preparem porque semana que vem tem mais :)