8 de julho de 2012

Resenha: Paper Towns - John Green


Esse é o terceiro livro que eu leio do autor e me surpreendo cada vez mais. Paper Towns tem uma história bem diferente dos outros dois que eu li, e eu gostei bastante disso, ver a variedade de histórias que o autor apresenta.
Quentin e Margo são vizinhos desde crianças. Eles costumavam ser amigos, mas com o tempo, Margo passa a ser uma paixão platônica de Quentin, ou Q, como seus amigos o chamam. Ele se apaixona pela ideia que ele tem de quem a Margo é.
Uma noite, Margo aparece na sua janela e o convence a ir a uma aventura no meio da madrugada. A aventura consiste em se vingar de algumas pessoas que a deixaram brava. Q acha que depois daquela noite, ela vai trata-lo de uma maneira diferente. Mas não, porque Margo nunca aparece na escola no dia seguinte.
Ela é conhecia por sumir por no máximo dois ou três dias, mas se passam vários e nada dela voltar. Margo vira um enigma, um mistério. Q descobre que ela deixou algumas pistas, e acha que é o seu dever procurá-la.
Um dos assuntos que eu mais gostei que John Green trata no livro é sobre a visão que temos das pessoas. Quentin não era apaixonado pela Margo verdadeira, ele nem sabia quem ela realmente era. Ele era apaixonado pela ideia de quem ele queria que ela fosse. E muitas vezes nós fazemos isso, inconsciente mesmo, nós queremos que uma pessoa seja de tal jeito, e na verdade ela é completamente diferente.
Margo é uma personagem intrigante. Quem ela realmente é? O que ela está fazendo? Onde ela está? Ela levanta muitos questionamentos, tanto para o leitor quanto para Q. O leitor fica intrigando e com vontade de saber onde Margo está, e o que aconteceu com ela. 
Os personagens secundários são uma grande parte do livro também. Radar e Lacey são bem construídos e o livro tem várias cenas engraçadas envolvendo eles, dão um ar humorístico ao livro e a passagens que seriam muito sérias.
Achei a narrativa do John Green espetacular novamente. Não me decepcionei nem um pouco. Só tenho a recomendar esse e os outros livros dele. Se eu for comparar Paper Towns aos outros livros do autor, não deixa nada a desejar e tem uma história que faz o leitor pensar. Principal quando se refere ao título, Paper Towns. 'Cidades de Papel'. Achei bem interessante como o autor desenvolveu essa ideia. 

8 comentários:

  1. Jamais li uma história onde alguém se apaixona pela "imagem" que tem de outra, eu acho, mas já vivenciei isso. Uau, já fui completamente apaixonada pela imagem que criei de alguém, chega até a ser engraçado. Sabe aquela mania que a gente tem de achar que tudo o que a outra pessoa fala tem um significado oculto e "profundo" quando na real é só aquilo mesmo, e às vezes, nem aquilo é? Assim, de pouquinho em pouquinho a gente cria essa imagem e passa a adorá-la. Sério, quero MUITO ler John Green, acho que vou comprar pelo iTunes. Do mês que vem não passa!

    ResponderExcluir
  2. Sou louca para ler algo do autor. Sempre falam tão bem dele.
    Pela sua resenha esse é um ótimo livro. Espero ler.

    Beijos,

    Carissa
    http://artearoundtheworld.blogspot

    ResponderExcluir
  3. Cara, que diferente. Gostei da ideia do livro e gostei dos personagens. Essa Margo parece ter personalidade (começa pelo nome)
    Eu já cansei de dizer que tenho curiosidade para ler as obras do autor, então esse com certeza entra para a wishlist.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Nunca li nada do John Green, mas a cada resenha diferente que eu leio sobre os livros dele, sinto uma vontade maior de ler. Adorei essa coisa da história levar à reflexão de quem as pessoas realmente são. Com certeza irei ler um livro do John Green em breve! :)

    Beijos
    http://trouxesteachave.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  5. John Green é vida. Tô com esse livro aqui em casa, vou ler quando terminar The perks of being a wallflower e um outro sobre literatura infantil brasileira.

    ResponderExcluir
  6. Olá Gabi!
    Ainda não tive a oportunidade de ler nenhum livro do John Green, mas sempre ouço elogios sobre ele e isto me deixa mais curiosa. Creio que todos os livros dele nos tragam reflexões profundas sobre nós mesmos e isto é algo genial em um autor!
    A mensagem que esse livro passa é realmente interessante, pois nós realmente idealizamos praticamente tudo ao nosso redor.
    Quero muito conhecer essa relação entre Margo e Quentin, mas ainda mais a história dessa garota misteriosa.
    Sua resenha está maravilhosa, me deixando com mais vontade de ler. *-*

    Beijos,
    Samy.

    ResponderExcluir
  7. Oi Gabbe, então, como você mesma comentou é normal nós acabarmos gostando de alguém não pelo que a pessoa realmente é, e sim pelo que queremos que ela seja, pelo menos comigo já aconteceu. Enfim, já vi que vou gostar desse livro.

    ResponderExcluir
  8. Confesso que me vi em Q, sempre faço idealizações de algumas pessoas e me dei mal com isso quando levei pro lado sentimental --' rs Mais um livro que quero ler do John <3

    Beijos
    Meu outro lado

    ResponderExcluir