28 de setembro de 2012

Resenha: O sentido de um fim - Julian Barnes


Editora: Rocco

Tony é um narrador não confiável que narra "O sentido de um fim". Não confiável porque ele está tratando de memórias. E com o tempo, essas memórias podem ser alteradas por ele mesmo e ele pode esquecer acontecimentos importantes.
Basicamente, o livro é um livro de memórias. Das mais vívidas para as confusas. Tony diz que teve uma vida mediana, em todos os pontos. E até o final, tenta entender uma história que começou quando era jovem. Quando ele está vivendo sua vida mediana, recebe uma noticia que o faz repensar em algo que aconteceu quase quarenta anos antes e que não foi devidamente entendido e terminado.
Foi o primeiro livro do autor que eu li e já senti sua narrativa diferente e muito boa. Esse livro ganhou o prêmio Man Booker Prize em 2011.
A história em si é simples, mas a maneira como o autor conta, deixa o leitor imerso na vida de Tony. Na minha visão do livro, eu analisei que o que faltou entre Tony e todos ao seu redor, para entender realmente o que tinha acontecido, foi falta de comunicação.
O livro aborda amizades de jovens que vão se dispersando com o tempo, romance, relacionamento de familiares e tudo isso de uma forma muito bem escrita. Eu gostei muito da maneira como o autor escreve, apesar do livro ter poucos diálogos, os parágrafos de Tony pensando e analisando sua vida, não são nem um pouco cansativos.
“Nós sabíamos por nossas leituras dos grandes livros que Amor envolvia Sofrimento, e teríamos de um bom grado praticado Sofrimento se houvesse uma promessa implícita, talvez até lógica, de que o amor poderia estar a caminho”.
É um livro diferente dos que eu estou acostumada a ler e dos que eu costumo falar por aqui, mas eu gostei muito e não me arrependo nem um pouco de ter comprado impulsivamente. Para quem quer conhecer autores novos e narrativas diferentes, ou para quem já gosta de narrativas mais calmas e pensativas, eu recomendo.

7 comentários:

  1. Parece interessante, vou pesquisar o livro...
    :D

    ResponderExcluir
  2. Oi Gabi

    Eu já comprei livros que amei por impulsão, e o oposto também :D Acho bom ler algo bem diferente do cortume de vez em quando. Esse que você resenhou eu nunca tinha ouvido falar, mas eu acho que iria gostar, parece um pouco estranho e gosto de livros "pensados" apesar de adorar bons diálogos.

    ResponderExcluir
  3. Acho que vou arriscar essa leitura também e espero gostar tanto quanto você. Parece ser diferente das coisas que leio, mas é bom dar uma mudada às vezes não é? rs.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Confesso que não me interessei muito pelo livro, Gabi, mas que bom que você gostou. É bom quando compramos um livro por impulso e acabamos gostando.
    Beijão!

    ResponderExcluir
  5. É a primeira vez que entro no seu blog , não conhecia mas a prof:Rejane recomnedo e vim dar uma olhada adorei vou ver mais vezes :)

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pelo blog, muito bom,adorei todos os livros mais esse me pareceu bem interessante.

    ResponderExcluir
  7. Parabens pelo seu blog! Sou uma amante nata dos livros e os compro compulsivamente!! Olhei praticamente todas as suas resenhas e a minha "Lista de desejos" já cresceu consideravelmente depois disso! Parabens Gabi!!!

    ResponderExcluir