30 de outubro de 2012

Sorteio: Um Porto Seguro

Oi


Quando a Novo Conceito anunciou o lançamento desse livro e quando eu comecei a ler a sinopse, tive a sensação de "ops, eu já li isso". Fui ver o título original e descobri que era o livro do Sparks que eu li em inglês em janeiro desse ano. Não vou ler o livro em português, mas vou fazer o sorteio para vocês.

Vocês podem ler a resenha aqui. Mas resumindo, eu realmente recomendo esse livro.

Qualquer dúvida, vocês podem entrar em contato comigo que eu responderei o mais rápido possível.

Boa sorte a todos e o resultado será divulgado no dia 25 de novembro.


a Rafflecopter giveaway

28 de outubro de 2012

Resenha: Clockwork Prince - Cassandra Clare


Segundo volume da série As Peças Infernais, Clockwork Prince não foi tão bom quanto o primeiro em minha opinião, mas ainda assim, é um ótimo livro.
Eu adoro a narrativa da Cassandra Clare, e adoro principalmente seus personagens.

O plot da história, eu vou deixar um pouco aberto para não soltar spoilers sobre o primeiro livro. Mas como sempre, algo deu errado e eles precisam tentar resolver. Dessa vez, Charlotte está sendo ameaçada a ser tirada do controle do Instituto, e eles têm duas semanas para encontrar o desaparecido Mortmain e divulgar sua localização.


I would never let anyone touch a hair on your head. You know that, don’t you, Tess?
Lendo essa série, podemos ver a diferença de alguns costumes entre a época da história de Jace e Clary e essa. Principalmente mais no final, onde acontece algo que me fez chorar de alegria e emoção.
Eu não sou muito fã de triângulos amorosos, principalmente quando tanto Jem quanto Will são incríveis. Então eu sofro vendo os dois apaixonados pela Tessa, e ela sendo uma pessoa só. Isso me impede de realmente amar essa série, porque o triângulo me deixa dividida.
Ação, mistérios, intrigas e romance. Tudo que eu adoro em um livro só, narrado de uma maneira brilhante com diálogos maravilhosos.

-Everyone makes mistakes Jem-Yes – said Jem – You just make more of them than most people
Recomendo bastante a série, acho que Clockwork Angel foi melhor, mas vale a pena continuar. E agora eu fico no aguardo pelo lançamento de Clockwork Princess, onde eu tenho certeza, que muita história ainda vai ser contada.

26 de outubro de 2012

Da livraria para a minha estante #44

Oi


Vocês pediram que eu gravasse mais videos, e como acaba sendo mais prático para mim nessa rotina gravar do que tirar fotos, vou continuar fazendo assim. Esse vídeo está curtinho, mas muito animado. Vocês vão ver porquê. E vocês vão poder ver um pouco de como eu fico animada quando compro um livro que eu quero muito. Enfim, isso é bem mais legal de ver em vídeo porque em texto não tem como relatar tamanha animação.

Espero que gostem.




Gabi

24 de outubro de 2012

Resenha: The truth about forever - Sarah Dessen


Macy Queen é a típica garota centrada. Ela vai bem na escola, tem um namorado perfeito e tudo ao seu redor está em ordem. Menos o seu interior.
Ela sofre com a morte do pai, sofre por não poder comentar sobre isso com sua mãe e tenta se ocupar, tentando alcançar a perfeição em tudo. Ela está “bem”. Tudo na vida dela está “bem”.
Nas férias de verão, seu namorado vai para um acampamento para "pessoas inteligentes" e deixa Macy com seu emprego na biblioteca. Ela conhece um grupo de amigos que vão abrir seus olhos para muitas coisas. Principalmente Wes. O engraçado, irresistível e maravilhoso Wes.
Já cansaram de me ouvir elogiando Sarah Dessen? Bom, eu não cansei de elogiar. Eu amei esse livro. Amei a carga emocional que a autora deposita na história e a maneira como ela desenvolve tudo.
Temos Macy lidando com a morte do pai, mas também temos sua mãe lidando com o mesmo motivo. Os livros da Sarah Dessen não são baseados em uma relação, e sim em várias. Mãe e filha, amizade, romance... Tem de tudo.
E esse é um livro, que pode se retirar lições de vida. Eu tirei, porque eu sou como a Macy em alguns aspectos. Como, andar sempre na linha, nunca agir impulsivamente e tudo isso... E o livro fez com que eu sentisse confortável sendo assim e também abriu meus olhos para algumas situações.
Adorei o jogo da Verdade entre Wes e Macy. Adorei Wes. Simples assim, ele é um personagem incrível... Não foi apenas a Macy que se apaixonou por ele.
Um dos meus favoritos da autora, onde ela mistura todos os elementos que eu gosto. Drama, romance, amizade e tudo isso da maneira mais maravilhosa de todas. Da maneira Sarah Dessen.

22 de outubro de 2012

Resenha: Forever Mine - Elizabeth Reyes


O livro estava de graça na Amazon, então eu nem li a sinopse antes de comprar. Forever Mine conta a história de Sarah, e como sua vida mudou drasticamente em um período muito curto. Sua mãe solteira foi para cadeia e ela é obrigada a deixar tudo para trás, principalmente seu melhor amigo Sydney e ir morar com sua tia, na Califórnia.
Lá, ela conhece Angel Moreno. E eles imediatamente têm uma conexão, o único problema é que ele não acredita que meninos e meninas possam ser apenas amigos. E ele acaba deduzindo, pelo nome, que Sydney é uma menina. E Sarah não o corrige com medo de estragar tudo.
Forever Mine foi uma leitura boa, nada extraordinário, mas é bom ler algo mais leve para distrair. É aquela história, que desde o inicio, o leitor já sabe que vai dar problemas Sarah mentir para Angel sobre Sydney. E não importa o quanto você tente convencê-la a contar, ela não escuta.
O livro apresenta vários personagens secundários, e pesquisando um pouco descobri que a autora escreveu outros livros para esses personagens. O que eu achei bem legal.
Eu achei Angel muito ciumento e possessivo. Tudo bem que Sarah mentiu para ele, mas não tem problema nenhum de ela ter um amigo. Eu não gostei dessa característica dele. Não gosto nem um pouco de relacionamentos assim.
A narrativa da autora é em terceira pessoa, eu gostei bastante. Ela é bem direta e agradável de ler.
Não é um livro maravilhoso. É um livro bom, com uma história tranquila, alguns momentos que eu não gostei muito e algumas características que infelizmente me incomodaram.
Esse livro não foi traduzido para o português e não tem previsão de publicação no Brasil.

19 de outubro de 2012

Filme: As Vantagens de Ser Invisível


Eu nunca sei como escrever resenhas de filmes, mas aproveitando o lançamento do filme no Brasil, resolvi que vou postar o que eu achei.
Fui ver The Perks of Being a Wallflower aqui em Chichester e estava muito animada, muito mesmo. É um dos meus livros favoritos e a emoção de ver o filme antes de estrear no Brasil estava grande. Enfim.
Eu gostei da adaptação, com algumas ressalvas apenas. O roteiro, a direção e a produção do filme são feitos pelo Stephen Chbosky, então fiquei mais tranquila sabendo que a história em si não seria alterada. E não foi, a base do livro está ali e os acontecimentos não tiveram grandes mudanças. Apenas para tornar possível ser um filme.
O que eu não gostei, são pontos bem pessoais mesmo, então com certeza vai variar de pessoa para pessoa. Eu imaginava o Charlie diferente, simples assim. E isso acaba atrapalhando um pouco e faz eu não conseguir gostar tanto do filme, o Charlie do livro me impressionou bem mais. E pelo livro ser em cartas, dá mais espaço para reflexão.
Os atores fizeram um bom trabalho, Emma Watson como Sam foi interessante. Não sei por que, mas eu não consegui me convencer com ela. Assim como Logan Lerman como Charlie.
A trilha sonora do filme é muito boa. A filmagem e o ritmo do filme fazem tudo ficar muito bom de assistir. Em síntese, é uma adaptação fiel e legal. Não supera o livro, nem chega perto, mas eu fiquei feliz que não me decepcionei completamente.

18 de outubro de 2012

Resenha: Tempest - Julie Cross


Jackson Meyer tem aparentemente uma vida normal. Apesar do fato que ele pode viajar no tempo e apesar de que ele viu sua namorada Holly levar um tiro e apesar de ele estar acidentalmente preso no passado, onde os inimigos que atacaram Holly continuam perseguindo ele.
Em breve períodos de tempo ele começa a perceber que nada que ele achou que fosse verdade é de fato o que realmente é.
Eu adoro a temática viagem no tempo. Acho que esse tema abre tantas portas, que fico curiosa para ver como o autor vai desenvolver. Eu gostei muito desse livro, menos do final. Mas isso eu comento daqui um pouco...
Livros com histórias legais e personagens legais é uma combinação forte, difícil de não gostar. Jackson é um personagem divertido e muito agradável de ler. O que é importante, já que ele é o narrador do livro. Seu romance com Holly são as cenas que amenizam o livro, que balanceia com outros tópicos.
Gostei bastante de como ele encontra a Holly no passado e vê outro lado da sua namorada. Como ela costumava ser antes de eles se conhecerem.
O livro trás cenas tristes, principalmente tratando da irmã de Jackson e da sua família. Que vai se tornando cada vez mais confusa, conforme ele vai descobrindo coisas sobre si mesmo.
A narrativa da autora é boa, o livro flui muito bem e é difícil de largar. Infelizmente, o final me decepcionou por ser muito aberto. Eu terminei o livro com milhões de perguntas não respondidas em mente e com a sensação de que algo estava faltando.
Pesquisei na internet e descobri que o livro tem uma continuação, o que me desanimou bastante. É um livro ótimo, com uma história muito boa, mas eu preferiria se a autora tivesse se contido em um livro apenas.

16 de outubro de 2012

Resenha: This Lullaby - Sarah Dessen


Depois de ver sua mãe passando por quatro casamentos desastrosos, Remy já não acredita mais no amor. A única memória que ela tem de seu pai, quem ela nunca conheceu, é uma música que ele escreveu para ela quando descobriu do seu nascimento. Chamada This Lullaby.
Remy não se apega a relacionamentos e tem uma regra que diz que ela não pode ficar com músicos. Mas em um piscar de olhos, Dexter aparece na sua vida. Ele é tudo que ela despreza: músico, bagunçado, atrapalhado... Mas começa a ficar difícil para ela seguir as próprias regras.
Sarah Dessen! É muito amor, sério. Eu adoro como os livros dela são verdadeiros. Os personagens são tão honestos e tão reais, que acabam sendo personagens incríveis.
Eu adoro ler livros com bandas e músicos envolvidos, então adorei já de primeira o Dexter. Ele e Remy tem famílias parecidas, com pais com problemas nos casamentos e que já passaram por vários casamentos. Mas enquanto isso fez Remy parar de acreditar no amor, Dexter ainda acredita. E ele acaba sendo o que ela precisa para se sentir completa.
Como sempre, temos a história em segundo plano. Os livros da Sarah Dessen são sempre assim, e é uma característica que eu gosto bastante. Temos a história das amigas da Remy, do seu irmão e da sua mãe. Isso torna o livro e a história, completos.
Foi uma ótima leitura e This Lullaby acabou se tornando um dos meus favoritos da autora. Adorei Remy, Dexter e adorei os dois juntos. Esse livro possuí vários elementos que eu adoro, e a autora juntou tudo de uma maneira que tornava quase impossível eu não gostar.
“Some things don’t last for ever, but some things do”
Fala sobre como o amor é algo complicado. Porque pulamos nele sabendo que existe chance de sairmos machucados, mas que precisamos pular mesmo assim.

14 de outubro de 2012

Resenha: Anjo Mecânico - Cassandra Clare


Editora: Galera Record

Cassandra Clare... Essa autora sabe mexer comigo. Enfim, Anjo Mecânico é uma prequel para a série Os Instrumentos Mortais. Faz parte da série Peças Infernais e a história se passa antes de Jace, Clary e Simon. É ambientado na Londres antiga e antes de continuar a resenha, já digo que recomendo.
Tessa está indo para Londres se reencontrar com seu irmão. Lá, ela encontra a Sra. Dark e Sra. Black, elas entregam a Tessa um bilhete do seu irmão dizendo que ela poderia confiar nelas. Mas Tessa é mantida presa e ela precisa obedecer as senhoras, caso contrário, seu irmão sofrerá. Ela descobre que tem o poder de se transformar em outras pessoas e que tem alguém muito interessado no seu poder.
Ela acaba se vendo sozinha em Londres e acaba no Instituto de lá, onde conhece James, Will, Jessamine e onde sua história começa de verdade.
O que eu mais gosto na narrativa da Cassandra Clare, são os personagens que ela constrói. Poderia ser apenas mais uma historinha de seres mágicos e tudo mais, mas ela tem um talento incrível para transformar os livros em muito mais. Will é sarcástico, é grosso algumas vezes e tem uma personalidade bem ácida, mas ela faz ele um personagens muito interessante. Porque o leitor sente que tem algo a mais nele. Eu o achei parecido com o Jace em vários aspectos. James (Jem) é mais educado, gentil e o aposto de Will na verdade. Eu gostei dos dois, ambos são personagens bem construídos.
Tessa foi uma surpresa muito agradável para mim, ela é uma personagem inteligente, que ama livros e é muito forte.
Eu achei esse livro com um clima mais pesado que os da série Instrumentos Mortais, o que eu gostei bastante. Tem um ritmo muito bom, reviravoltas bem planejadas e eu adoro a ambientação antiga. Adoro poder ler sobre os costumes, a maneira como as pessoas tratavam umas as outras e tudo mais. Eu adoro isso e adorei ver presente na narrativa incrível da autora.

11 de outubro de 2012

Resenha: A Lista Negra - Jennifer Brown


Editora: Gutenberg

Fazia um tempo que eu não chorava de ter lágrimas escorrendo pelo rosto com um livro. Mas eu estou, acabei de terminar a minha leitura e tive sérios problemas em ler as últimas páginas porque minha visão estava embaçada pelas lágrimas.
A Lista Negra é focado nas consequências do acontecimento de 2 de maio de 2008. Valerie sofria bullying e implicâncias dos seus colegas na escola. Em um momento de raiva, ela começa a Lista Negra, com os nomes de todas as pessoas que ela odeia. Ela começa a namorar um menino chamado Nick, que é apaixonado por Shakespeare e gosta de falar sobre a morte. Nick também sofria, as pessoas o chamavam de esquisito e era alvo das implicâncias.
A Lista Negra, que era uma brincadeira para Valerie, era levada a sério por Nick. E um dia, ele chega na praça de alimentação da escola e começa a atirar em todas as pessoas que tinham seu nome da lista. E Valerie, agindo por impulso, se joga na frente da menina que ela mais odiava, salvando sua vida. Ela recebe um tiro na perna e Nick se mata.
É um livro muito bom. Muito bom mesmo. A autora escreve sem nenhum freio, ela realmente coloca no papel os sentimentos de Valerie, dos outros atingidos, dos pais dela e como cada um tem uma visão sobre a história. Valerie é culpada? Ela pode ser perdoada?
Cada leitor vai ter sua opinião. Valerie está tentando superar tudo que aconteceu, ela e o resto da escola. Estão todos tentando seguir em frente, por mais complicado e difícil que seja.
Jennifer Brown narra essa história de uma maneira maravilhosa. A maneira como ela retrata os sentimentos, é perfeita. Esse livro foi uma leitura impactante, uma leitura que realmente mexeu comigo. Porque é uma tragédia, que todos acabaram sofrendo e todos tiveram consequências nas suas vidas. E é isso que o livro aborda, as consequências.
A confusão de Valerie sobre Nick. Ela o amava, mas ele cometeu um ato tão cruel. Ela sente falta dele, ela o quer de volta, mas ela poderia estar se sentindo assim? Depois do que ele fez?
É um livro forte, mas vale a pena ler. O final acabou comigo, eu chorei, chorei e chorei. Foi intenso. Foi uma leitura maravilhosa e muito intensa.

9 de outubro de 2012

Top 10 Tuesday: Livros para clubes do livro


O tema de hoje é retrospectiva, onde pode-se escolher qualquer outro tópico que já tenha passado:
Top 10 livros que seriam boas escolhas para clubes do livro

Fahrenheit 451 – Ray Bradbury – Pode-se discutir sobre livros, a importância deles e como eles afetam a vida das pessoas que os leem.
A Culpa é das estrelas – John Green – Esse livro tem tantos pontos de discussão, tantas maneiras que ele pode ser lido que eu acho que seria bom de discutir como cada um vê a história.
Jogos Vorazes  - Suzanne Collins – Distopias sempre tem muitos pontos a serem discutidos. A forma do governo autoritário, o motivo que os jogos são feitos, como a população reage, as desigualdades dos distritos e muito mais.
Os treze porquês –Jay Asher – Esse livro fala sobre as consequências que coisas aparentemente bobas podem ter. Mostra que não sabemos o efeito que temos na vida dos outros, mostra que tudo pode ir virando uma bola de neve. E isso é interessante de comentar.
Feios – Scott Westerfeld – O que é ser perfeito? Vale a pena passar pela cirurgia? Mesmo com as consequências? Para onde a nossa sociedade atual está andando? O que a mídia exibe?
Looking for Alaska – John Green – Esse livro fala sobre se encontrar na adolescência. Sobre um período complexo e envolve personagens que renderiam boas discussões. Alaska principalmente.
Delírio – Lauren Oliver – Pode-se discutir sobre o amor. Como o amor é visto no livro e as semelhanças com a vida real.
O Morro dos ventos uivantes – Emily Brontë – Acredito que esse seja um livro para discussão porque ou você ama ou odeia. E deve ser interessante conversar sobre a história, discutir as diferentes opiniões e fazer uma análise dos personagens.
Cidade Mágica – Drew Lerman – O autor mesmo cita no livro vários tópicos que poderiam vir a ser discutidos. 

7 de outubro de 2012

Da livraria para a minha estante #43 (em video)

Olá!


Resolvi criar vergonha na cara e gravar um vídeo. Gravei várias vezes até ficar satisfeita e até eu não estragar o vídeo derrubando alguma coisa, errando algum nome e etc. Espero que gostem!



Gabi


5 de outubro de 2012

Resenha: Franny and Zooey - J.D. Salinger


Franny and Zooey é a junção de duas pequenas histórias publicadas primeiramente separadas pelo autor. Franny em 1955 e Zooey em 1957. Sendo Franny mais curta e Zooey um pouco mais comprida.
Basicamente, o livro é composto de três diálogos. O primeiro entre Franny e seu namorado Lane. A segunda entre Zooey e sua mãe Bessie e a terceira e mais longa entre Zooey e Franny.
O livro se passa ao redor da família Glass, que pelo que eu li, é utilizada em outros livros do autor, tendo um foco principal nos dois irmãos mais novos, Zooey e Franny.
Os dois estão passando por momentos de crises em suas vidas. Crises existenciais. Como O apanhador no campo de centeio, esse livro não apresenta sinopse então isso é o que eu vou falar sobre o enredo da história.
O livro vai passando e os diálogos, que são sua base, são muito bem escritos e construídos. O diálogo entre Zooey e sua mãe é o mais divertido de todos. E Zooey é extremamente crítico, sarcástico e frio sobre o mundo e sobre o que acontece ao seu redor.
Algo que eu gostei bastante foi a narração das ações dos personagens. Entre os diálogos, como eles estavam, quando se levantavam e tudo isso faz o leitor sentir como o personagem estava se sentindo. E eu achei genial a maneira que o autor proporciona isso.
As páginas vão passando tão rapidamente que quando vi já tinha terminado. O livro não é nada cansativo e eu gostei bastante da relação entre Franny e Zooey, a relação de irmãos que eles tem e da mãe super preocupada e protetora Bessie.
Eu não gostei tanto como gostei de O Apanhador no Campo de Centeio, mas foi uma ótima leitura. J.D. Salinger não é um autor que agradará a todos, a narrativa dele é bem diferente e nesse livro, é preenchida por diálogos, então não temos muitos acontecimentos. Mas eu gostei bastante e recomendo lerem algo do autor, talvez acabem se surpreendendo.
Franny and Zooey é publicado no Brasil pela Editora do Autor.

3 de outubro de 2012

Resenha: City of Lost Souls - Cassandra Clare


Eu não sei como começar essa resenha, City of lost souls foi tudo que eu esperei e muito, muito, muito mais. Cassandra Clare conseguiu continuar a série de uma maneira incrível.
Como sempre, é complicado comentar sobre a história sem acabar soltando algum spoiler, então para aqueles que não leram até o quarto livro, sugiro pularem o paragrafo seguinte e lerem apenas o final da resenha.
Jace sumiu e Clary está desesperada tentando encontrá-lo. Quando a Clave decide deixar a busca em segundas prioridades , ela decide que vai fazer isso sozinha. Sozinha com Isabelle, Simon, Alec e Magnus. Mas Jace não é mais o mesmo Jace, e recuperá-lo talvez seja mais complicado do que eles pensam.
Essa série me faz ter pequenos ataques durante a minha leitura. Principalmente ataques fangirl onde eu começo a falar sobre a série e sobre o livro para qualquer pessoa que tenha um pouco de paciência em me escutar. City of Lost Souls é um livro muito completo, cenas de ação, romance, suspense e tudo mais. Eu adorei a forma como os relacionamentos de todos os personagens alcançaram outro nível, eles realmente estão mais próximos e trabalhando bem juntos.
Sebastian é um personagem que me instigou muito durante toda a leitura e é um personagem extremamente bem construído e desenvolvido pela autora. E Jace... Jace, Jace, Jace... Ele é um dos meus personagens favoritos e ele simplesmente é incrível. Eu já disse e repito, eu tenho uma grande quedinha literária por ele.
As cenas de ação do livro foram muito bem escritas, principalmente uma mais no final envolvendo Sebastian e Clary. Aquela cena foi incrível.
E o romance nesse livro é apaixonante. Jace e Clary, Isabelle e Simon, Alec e Magnus, Maia e Jordan... Cassandra Clare sabe escrever cenas que fazem o leitor suspirar. Ela simplesmente sabe. Ela tem esse talento.
City of lost souls virou o meu favorito da série. Agora é espera interminável por City of Heavenly Fire. E já sabem, eu recomendo bastante!

1 de outubro de 2012

Resenha: Insurgent - Veronica Roth


Uau. Obrigada Veronica Roth, por uma leitura intensa e maravilhosa.
Insurgent é a continuação de Divergent, um livro que eu gostei muito. E fico muito feliz em dizer que achei Insurgent ainda melhor. A palavra Insurgent significa se rebelar contra uma autoridade ou um governo. E é exatamente isso que está acontecendo.
Para eu falar da história em si, eu teria que contar muitos spoilers do primeiro livro. Insurgent começa logo após do final de Divergent, então seguimos com a história exatamente de onde parou. Tris está sofrendo as consequências de tudo que aconteceu nas últimas páginas, das perdas, remorso e tudo mais.
Algo que eu gostei muito nesse livro foi como a autora apresenta as situações, as pessoas e as propostas que um faz ao outro. Ela não entrega quem é do ‘bem’ e quem é do ‘mal’. Quem está certo e quem está errado, fica nas mãos do leitor pensar nisso e eu concluí que ninguém está certo nem errado nesse livro, algumas pessoas veem a situações por visões diferentes.
Nós temos uma visão mais ampla das facções e algo que me deixou muito animada para o próximo volume é que iremos ter noção do que acontece fora da cidade, como está o resto do mundo. No final desse livro, já temos uma prévia do que aconteceu e eu só sei que quero ler muito mais.
Insurgent foi uma leitura muito intensa, eu simplesmente não conseguia soltar o livro. Veronica Roth mistura aventura, romance, amizade e muitos outros temas muito bem. Isso torna os livros dela bem completos e incríveis. Temos um pouquinho de tudo.
Tris foi uma personagem que apesar de me deixar louca em alguns momentos, eu gosto bastante dela. Da força e da determinação que ela tem. Se for ver todo o contexto que ela está, com o que aconteceu na sua vida e o que está acontecendo, muitas atitudes dela podem ser entendidas.
Temos muitos personagens novos, muitas mortes e discussões entre eles. E Four (Tobias) continua incrível como sempre. Ele realmente é incrível. Ponto.
Eu realmente recomendo essa série, é muito boa e vale a pena ler.