28 de maio de 2013

Resenha: Jogador Nº1 - Ernest Cline


Versão em português: Editora LeYa
Quando eu peguei esse livro para ler, fiquei com medo do seguinte: como alguém que nunca jogou videogame, que não faz a menor ideia de como se joga, vai gostar de um livro que fala sobre isso?
Depois de ler as primeiras vinte páginas eu respondi a minha pergunta: você vai gostar porque o livro é incrível. Simples assim.
O ano é 2044 e a realidade das pessoas passou a ser uma realidade virtual. Denominada OASIS, lá, você pode ser quem quiser e ter a aparência que quiser. Pode-se assim fugir da realidade que o mundo se encontra, com uma imensa pobreza e diversos problemas. Quando a oportunidade de viver em um mundo novo, sendo quem você quiser, não há muitos que resistem.
Quando o criador do OASIS e de outros diversos videogames, Halliday, morre, ele lança um desafio para todos os jogadores. Em um vídeo, ele diz que dentro dos seus jogos diversas pistas e desafios. Quem conseguisse cumprir todos os desafios, ficaria no comando do OASIS e ganharia a sua fortuna.

24 de maio de 2013

Da livraria para a minha estante

Olá!

Então... Esse post seria em vídeo originalmente, mas o youtube não colaborou e eu achei que a luz e a qualidade do vídeo estavam ruins. Enfim, posts com fotos também são legais. E semana que vem vai ter o vídeo com as minhas leituras do mês de qualquer jeito.

Book Depository
Bliss - Lauren Myracle - A Tatiana Feltrin do canal do youtube Tiny Little Things fez uma resenha sobre esse livro um tempo atrás e eu simplesmente senti que tinha que ler. Eu precisava saber o que ia acontecer no livro e como ela gostou bastante, resolvi dar uma chance para o livro. Eu achei a capa maravilhosa, com um ar "leia-me" que está me deixando nervosa cada vez que eu penso na história. Logo logo lerei e espero não me decepcionar.

The Elite - Kiera Cass - Tive sorte que um dia depois que eu terminei A Seleção, esse livro estava me esperando na caixa do correio. Eu já li o livro e infelizmente, não gostei tanto como gostei do primeiro livro. Vou explicar mais sobre isso na resenha que vai ir ao ar daqui alguns dias no blog. E eu preciso comentar que adoro as capas dessa trilogia.

Anjo Negro - Nelson Rodrigues - Nova Fronteira - A Ni do Ninhada Literária disse que esse era um dos livros favoritos dela do autor, então eu resolvi que seria o segundo livro que eu iria ler dele. 

Leituras Obrigatórias UFRGS 2014:

Boca de Ouro - Nelson Rodrigues - Nova Fronteira - Meu primeiro contato com a narrativa do autor foi por esse livro, e eu gostei bastante. Mais uma leitura obrigatória que me surpreendeu bastante! Eu adorei as capas dessas edições e adorei como elas combinam.

Contos Gauchescos e Lendas do Sul - Simões Lopes Neto - L&PM - Essa edição tem duas histórias, no meu caso, eu só preciso ler a primeira "Contos Gauchescos". Essa não é uma leitura que eu estou muito animada a fazer, principalmente pois já me disseram que é bem complicado devido ao vocabulário. Mas de qualquer jeito, eu vou dar uma chance para o livro.

Obra Completa - Murilo Rubião - Companhia de Bolso - Esse livro contém todos os contos do autor, e na foto vocês podem ver uns post-its marcando algumas páginas. A UFRGS só solicita a leitura de doze contos, eu vou lê-los e se gostar, leio o resto. Pelo que eu vi do livro, as chances de eu gostar são altas.

As Parceiras - Lya Luft - Record - Eu estou bem animada com essa leitura, algumas pessoas já me disseram que o livro é muito bom. Disseram também que é extremamente depressivo, mas enfim, o que importa é que seja bom!

Terras do sem-fim - Jorge Amado - Companhia de Letras - Eu nunca li nada do autor, apesar de ter bastante vontade de ler Capitães da Areia, eu sempre acabo adiando a leitura. Eu não ouvi muitos comentários sobre esse livro, mas espero que eu goste. Ou que eu pelo menos consiga ler sem muitos problemas.

É isso! Estou esperando dois livros da Novo Conceito chegarem, e como eu estou bem animada para ler um deles, em breve eu faço resenha e sorteio!

Quais foram as suas últimas aquisições? E já leram algum desses livros? 

Gabi

21 de maio de 2013

Resenha: O Centauro no Jardim - Moacyr Scliar


O Centauro no Jardim está na lista das leituras obrigatórias da UFRGS, e como muitas pessoas me disseram que era o melhor livro da lista, eu resolvi ler ele primeiro. Eu acabei me surpreendendo bastante com a leitura.
Desde seu nascimento, Guedali é diferente de todos os outros seres humanos. Até a cintura, ele é normal, e então, ele tem patas e corpo de cavalo. Tornando-o um centauro.
O livro, narrado pelo próprio Guedali, conta sua vida. Começando pelo dia do seu nascimento e narrando todos os empecilhos e acontecimentos que o seguiram. Como ele era excluído da sociedade e como ele tinha o desejo de se tornar normal. Eu, que sempre me vejo com dificuldades de imaginar personagens assim (metade homem, metade centauro ou metade alguma coisa) me vi realmente conseguindo imaginar aquele personagem. E todas as situações que ele enfrenta, por ser diferente.
A narrativa do Moacyr Scliar é muito boa de ler. O livro flui muito rápido e o leitor se vê imerso naquela história desde o inicio, querendo saber o que vai acontecer. Existe uma dose de humor nas entrelinhas que eu achei perfeita.
O final do livro, faz o leitor parar para analisar todos os acontecimentos narrados anteriormente.  E eu achei isso brilhante, faz você pegar todas as informações que Guedali havia narrado, e duvidar de todas elas. O que o centauro realmente representa?
Não quero me estender muito no enredo, porque o legal é ir lendo e ir tendo suas próprias conclusões. Mas de fato, é um livro muito bom, foi o meu primeiro contato com a escrita do Moacyr Scliar e com certeza, quero ler mais livros.
É um livro que depois que você vira a última página e devolve o livro para a estante, ainda vai ficar pensando na história. E eu simplesmente amo quando isso acontece. 

16 de maio de 2013

Tag: Alfabeto Literário


Olá!


O post de hoje é uma tag que a Naty do Just Books me indicou para responder. 

Espero que gostem do vídeo!



Gabi

13 de maio de 2013

Resenha: Clockwork Princess - Cassandra Clare

Terminar o último livro de uma trilogia é estranho. Você percebe que é realmente o fim e que a única maneira de rever os personagens é relendo os livros. E eu vou reler As Peças Infernais em um futuro não muito breve, porque eu vou sentir falta.
Apesar do fato de ter lido um baita spoiler antes de começar Clockwork Princess - tem spoiler da árvore genealógica que veio no livro - eu consegui, ainda assim, me surpreender com a maneira que a  Cassandra Clare fez tudo acontecer. 
Clockwork Princess fecha a história de Tessa, Will, Jem e todos os outros personagens contra o Mortmain e suas invenções. E a autora terminou essa série de uma maneira extremamente digna.
Eu não sou a maior fã de triângulos amorosos, mas algo faz com que eu não importe com o fato de existir um triangulo amoroso enorme nessa trilogia. Eu  adoro os personagens. Tessa é uma personagem feminina incrível, Will é maravilhoso e o Jem é adorável. E um ponto que eu adoro na narrativa da autora, é a importância que ela dá para os personagens secundários e como eles acrescentam na história.
Cassandra Clare continua com sua narrativa maravilhosa, e nessa trilogia, ela realmente escreveu sobre a Londres antiga, com o vocabulário e com a maneira que eles falavam antigamente. Se for comparar o inglês que ela usa em Instrumentos Mortais e o que ela usa nessa série, é extremamente notável e admirável a diferença. 
Eu recomendo As Peças Infernais, o romance é lindo e mais lindo que o romance, eu acho a amizade do Will e do Jem. Eu chorei em algumas cenas entre os dois nesse livro. A Cassandra Clare escreveu um final real, um final que não é milagroso e que respeita as regras do ciclo de vida. E por mais que eu tenha chorado e chorado e chorado, eu gostei do final. Foi triste, e a maneira como ela escreveu certa parte do livro foi maravilhosamente triste. 
Eu cheguei a conclusão que gosto mais dessa trilogia do que Os Instrumentos Mortais. E eu recomendo bastante!

10 de maio de 2013

Estive pensando #7: Mudanças

Em um post do Top 10 personagens que se eu fosse um personagem de livros, eu teria uma quedinha, comentei sobre como o meu estilo de leitura mudou de um tempo para cá. E é sobre isso que eu vou falar hoje.
Acho que esse período entre 14 – 16 anos, eu mudei muito. E isso teve consequências nos tipos de livros que eu leio e os livros que eu acabo gostando.
Eu tenho certeza de que se eu for reler um dos meus livros favoritos de alguns anos atrás, eu não iria mais gostar tanto. Não pelo livro ser ruim, mas sim pelo fato que eu não iria me relacionar com a história da mesma maneira. Eu iria criticar de um jeito diferente.
A mesma coisa com personagens que eu costumava adorar e que hoje eu não iria mais gostar tanto. Acredito que todo mundo passe por essa fase, e eu acho que por eu ler bastante, eu passei a ficar mais exigente com o conteúdo e a qualidade dos livros.

5 de maio de 2013

Resenha: Unravel me - Tahereh Mafi


Acho que posso resumir minha resenha assim: Eu amo a narrativa da Tahereh Mafi.
Estilhaça-me foi uma grande surpresa para mim, não achei que iria gostar tanto como gostei. Grande parte do motivo, foi a narrativa da autora e a maneira como ela constrói os personagens.
Eu sempre tenho medo que em séries, o segundo ou terceiro livro acabem decepcionando, principalmente devido as altas expectativas. Mas com Unravel me isso não aconteceu.

Não vou me focar muito na sinopse, porque para eu falar eu teria que comentar spoilers sobre o primeiro livro. Eu posso dizer que nesse livro, temos uma visão diferente. No primeiro livro, Juliette não sabe o que está acontecendo no mundo, contudo agora conseguimos ter uma noção um pouquinho melhor. Ainda que não completa, um pouco mais ampla.
Eu gosto bastante dos personagens da série. Juliette e Adam continuam com as mesmas personalidades, ambos são personagens legais. Contudo, tem um personagem que me conquistou muito nesse livro, o Kenji. Acho que é a primeira vez que eu não me apaixono pelo mocinho que a personagem se apaixona e sim por um personagem secundário.
Kenji é incrível. A voz que a Tahereh Mafi deu para ele é única, é perfeita, é sarcástica, é engraçada e realmente, é quem dá um lado especial ao livro. (Não consigo lembrar se ele já aparece em Estilhaça-me... Minha memória não está ajudando muito) Ele se tornou meu personagem favorito.
E temos Warner. Que nesse livro aparece com várias facetas. E no fundo, se percebe que ele é uma pessoa que sofreu muito desde pequeno. Que já viu e fez muitas coisas ruins e que isso ficou marcado naquela personalidade doentia dele. E a autora consegue construir e desenvolver esse personagem de uma maneira brilhante.
É um livro com uma narrativa rápida, que vai ficar envolvendo o leitor até a última linha. Um dos pontos mais positivos, é que a Tahereh Mafi tem um modo único de narra, que eu acho que todos devem conhecer!

1 de maio de 2013

Leituras de Abril 2013

Olá!


Fiquei feliz que consegui ler quatro livros em abril, sendo um deles uma das leituras obrigatórias para o vestibular. 


O que vocês leram em abril?

Gabi