25 de junho de 2013

Resenha: The Great Gatsby - F. Scott Fitzgerald


A minha história com The Great Gatsby já tem bastante tempo. Eu tenho o livro desde 2010 e perdi as contas de quantas vezes eu começava a ler o livro e acabava desistindo depois de umas vinte páginas lidas.
Eu coloquei uma meta esse ano, que iria terminar de ler o livro antes de o filme estrear. E eu cumpri essa meta. Contudo, após terminar a leitura, minhas opiniões sobre a obra são conflitantes.
Começando pelo começo, sobre o que fala The Great Gatsby? O livro se passa no verão de 1922, após a Primeira Guerra Mundial, em uma sociedade baseada no excesso. O livro é narrado por Nick Carraway, que é vizinho de Jay Gatsby. Gatsby é conhecido por suas festas maravilhosas e por ser um homem extremamente rico. Sua fortuna, ninguém sabe ao certo de onde vem.
Nick Carraway é primo de Daisy Buchanan que é casada com Tom Buchanan. E depois de várias e várias páginas, é descoberto que o motivo das festas de Gatsby é conquistar novamente Daisy.
Os meus sentimentos conflitantes aparecerem porque eu entendo o motivo que esse livro é um clássico americano, eu entendo o que o autor mostrou no livro, eu gostei da história e a maneira como F. Scott Fitzgerald retratou a sociedade da época, é incrível.
Contudo, foi uma leitura lenta, difícil e eu pensei em desistir em diversos momentos. 
Eu precisei pensar muito, após terminar a leitura, principalmente para entender tudo o que é mostrado no livro e para refletir sobre o que a história mostra.

A relação entre Gatsby e Daisy é intrigante. A relação entre Daisy e Tom é intrigante. E isso é o que me faz escolher dizer que sim, que eu gostei do livro. O autor conseguiu atingir algo que eu considero imensamente difícil. O livro é um retrato da sociedade da época. F. Scott Fitzgerald usou simbolismos e metáforas de uma forma maravilhosa.
Acredito que esse seja um livro que eu irei reler no futuro. Não por ser um livro que eu amei, mas sim por ser um livro complexo e por ter a maior parte da sua verdadeira história nas entrelinhas. 

4 comentários:

  1. Oie!

    Gostei muito de sua resenha!
    Eu já li muitas resenhas deste livro e te confesso que ele não chama minha atenção.
    Mas agora com o filme no cinema, vi uma edição do livro em capa dura e fiquei com vontade de comprar, mas não o fiz. Quem sabe eu acabo lendo, vamos ver.

    Beijinhos*

    ResponderExcluir
  2. Como eu disse, sua opinião dos clássicos é uma das que eu levo mais em conta. Li várias resenhas e nenhuma me fez crer ou justificar o porquê o livro valeria a pena de ser lido. É uma pena que ele tenha um ritmo lento, isso me trava bastante, mas vou dar uma chance. Gosto desses livros que por trás dos panos, gera crítica social e faz refletir. Além, claro, de termos os relacionamentos.

    Beijos e obrigada pela resenha! <3

    ResponderExcluir
  3. Ainda estou lutando com esse livro... não pretendo desistir da leitura, mas já vi que vai ser um processo beeeeeeeem longo... e lento...

    ResponderExcluir
  4. Oi Gabi, eu pensei em comprar The Grat Gatsby sábado, mas acabei comprando Emma de Jane Austen, eu tenho O último Magnata de F. Fitzgerald e vou ler nos próximos dias. Mesmo se eu não gostar eu vou ler The Great Gatsby, porque preciso ter uma opinião sobre ele.

    ResponderExcluir