28 de novembro de 2013

Resenha: O Chamado do Cuco - Robert Galbraith

Esse livro ganhou um lugar na minha estante depois que todos descobrimos que quem tinha escrito era a J.K. Rowling. Na hora eu fiquei com muita vontade de ler porque adoro romances policias e achei que um escrito por ela, seria incrível.
Lula Landry era uma supermodelo que tinha sua vida frequentemente exposta nas páginas de revistas e jornais. Uma noite, após retornar de uma festa, ela comete suicídio se atirando da sacada de seu apartamento. A polícia faz uma investigação, mas as evidências eram claras e o caso foi fechado como suicídio.
Alguns meses depois, John Bristow – meio-irmão de Lula Landry – vai até uma agência de detetives particulares para contratar Cormoran Strike. Bristow tem certeza de que a morte de sua irmã não foi suicídio e sim um assassinato. Strike reluta um pouco antes de aceitar o caso, mas as necessidades de pagar suas dividas faz com que ele entre nessa jornada.
Junto com Strike, temos Robin, uma assistente temporária que acaba na agência de Strike e o ajuda a resolver esse mistério. A interação desses dois personagens é ótima, rende cenas muito boas e os passados de ambos são muito bem apresentados ao leitor.
O enredo do mistério é muito bem pensado e planejado. Acredito que a chave para um livro policial funcionar é o planejamento, para não deixar nenhuma ponta solta no final. Os diversos personagens que aparecem como suspeitos, testemunhas ou simplesmente os amigos de Lula Landry são muito bem caracterizados, construídos e relevantes para a história. Eles ajudam o leitor e o Strike a compor uma versão de quem era a Lula Landry de verdade. As diferenças das classes sociais de que os personagens pertencem também são muito bem exploradas, usadas no conflito e caracterizadas através dos diálogos.
Eu gostei muito do livro, foi uma ótima leitura com uma narrativa completamente viciante. Cenas pesadas são balanceadas com momentos de humor -o típico humor britânico é visível nos diálogos- e o mistério deixa o leitor imerso no livro até tudo terminar. Evitando qualquer spoiler, só vou dizer que o final foi uma surpresa para mim. 
Para quem gosta de livros do gênero, recomendo muito. Eu simplesmente não conseguia deixar o livro de lado e sei que vou sentir falta de Strike e Robin. 

25 de novembro de 2013

Tag: Nacionais na minha estante


A Ni do Ninhada Literária respondeu essa tag e me indicou para responder também. O plano original era fazer em vídeo, mas eu fiquei praticamente um mês enrolando e enrolando até finalmente decidir fazer o post com fotos. 

1- Indique três livros de autores nacionais que você tenha lido, gostado e que estejam na sua estante:
A Ilha dos Dissidentes - Bárbara Morais
Esse livro foi uma ótima surpresa para mim. Como eu disse na resenha, eu esperava que fosse bom, mas acabei me surpreendendo com um livro muito bom. Foi a primeira distopia nacional que eu li e por isso resolvi colocar nessa tag, como recomendação a todos aqueles que gostam de distopias!

O Centauro no Jardim - Moacyr Scliar
Eu adorei esse livro. É leitura obrigatória para todos que vão fazer o vestibular da UFRGS, mas eu recomendo também a todos aqueles que não vão. É um ótimo livro de fantasia, com uma história maravilhosa e uma narrativa incrível.

As Parceiras - Lya Luft
Outra leitura obrigatória que eu adorei. As Parceiras é um livro bem denso e cheio de tragédias (muito cheio de tragédias), mas que trata das personagens de uma maneira tão intrínseca e humana que eu achei incrível.

2- Três livros nacionais que estejam na sua estante, mas que você ainda não leu.
O Beijo no Asfalto - Nelson Rodrigues
Esse livro foi recomendação da Ni do Ninhada Literária; é um dos favoritos dela do Nelson Rodrigues e eu estou para ler já faz bastante tempo. Gostei muito do livro que eu li do autor e quero conhecer mais da obra dele.

Morangos Mofados - Caio Fernando Abreu
Eu comecei a ler esse livro uma vez, a cópia era da biblioteca e eu não lembro o motivo, mas tive que acabar devolvendo antes de terminar. É um livro curtinho, espero que consiga ler logo.

A Hora da Estrela - Clarice Lispector
Eu sempre quis ler Clarice Lispector. Eu li algumas crônicas, mas nunca nenhum livro completo. Escolhi "A Hora da Estrela" por dois motivos bem diferentes. O primeiro, é que o livro foi abordado em uma questão do vestibular de inverno que eu fiz e eu acabei errando porque não sabia o nome da personagem... Desde então tenho vontade de ler e conhecer a dita personagem. O segundo motivo foi a questão do ENEM que trouxe um pedaço do texto, eu gostei bastante e fiquei com vontade de ler o livro todo. Enfim, é uma novela bem curtinha que eu vou ler logo!

3- Três livros nacionais que você não tenha na sua estante e que gostaria de ter
O Pássaro - Samana Holtz
Esse livro está na minha lista de desejados desde o lançamento... Espero que no ano que vem ele consiga vir parar na minha estante.

Lucíola - José de Alencar
Eu tive uma péssima experiência com "O Guarani", mas muita gente já disse que os romances urbanos do José de Alencar são bem diferentes e melhores. Quero dar uma segunda chance para o autor e quero começar por Lucíola (A Ni, novamente a Ni, me convenceu a dar essa segunda chance)

Toda Poesia - Paulo Leminski
Não tem uma vez que eu entre na livraria e não fique com vontade de levar esse livro para casa. Eu adoro poesia e das que eu já li - nessas minhas visitas as livrarias - as desse autor são muito boas. A capa é linda, poesia é lindo, só o preço que não é :)

-
Espero que tenham gostado da tag! Sintam-se a vontade para responder e para deixar nos comentários sugestões de livros nacionais!

20 de novembro de 2013

Filme: "Em Chamas"

Jogos Vorazes é uma das minhas trilogias favoritas, isso e os trailers maravilhosos fizeram com que eu fosse assistir Catching Fire com altas expectativas.
Esse post não é para comparar o livro e o filme, e sim para dizer que mesmo com as pequenas alterações e supressões de cenas, foi uma das melhores adaptações que eu já assisti. O filme é muito fiel e mais importante ainda, respeita o tom e a mensagem do livro. Enquanto assistia ao filme, parecia que estava lendo o livro de novo. No filme, a visão do leitor é ampliada além da narrativa da Katniss; assim como no primeiro filme, podemos ver a organização dos jogos e podemos ver o que o governo está planejando.
O filme lida muito bem com o inicio das revoltas nos distritos e podemos ver a visão do governo sobre isso. O Presidente Snow começa a perceber que os moradores dos distritos mais pobres não acreditam mais que a Capital é perfeita. Durante a turnê da vitória é quando podemos ver o inicio da revolução e as decisões tomadas pelo Presidente para abafar e reprimir as revoltas. O lado político do livro foi muito bem explorado e por ser o motivo que fez com que eu amasse a trilogia, eu fiquei muito feliz.
Os tributos mostram muito bem os efeitos de ‘ganhar’ os Jogos Vorazes. Todos eles têm sequelas emocionais e estão lutando contra a Capital e contra o governo autoritário. Os traumas emocionais são visíveis no filme de uma maneira mais intrínseca, mas muito forte. O filme foi bastante impactante (chorei em grande parte das cenas) e eu fiquei impressionada, superou todas as expectativas que eu tinha.
Gostei muito dos atores escolhidos, todos conseguiram fazer com que os personagens ganhassem vida e isso tornou o filme muito real, eu senti que estava lá com eles. É um filme longo e eu normalmente não gosto de filmes muito longos, mas em Catching Fire eu não senti o tempo passar e não queria que terminasse.
Foi uma ótima adaptação, eu recomendo muito que leiam os livros, assistam aos filmes e aproveitam esse mundo distópico maravilhoso criado pela Suzanne Collins.

16 de novembro de 2013

5 Livros: Períodos Históricos


Alguns dos meus livros favoritos envolvendo períodos históricos, que também é um dos meus temas favoritos para ler. Espero que vocês gostem!
  
                  

Resenhas:
The Great Gatsby - F. Scott. Fitzgerald
Maus - Art Spiegelman
O Palácio de Inverno - John Boyne

12 de novembro de 2013

Resenha: Laços de Sangue - Richelle Mead

Sydney Sage é uma alquimista e seu trabalho consiste em manter a existência de vampiros em segredo. Ela é enviada para Palm Springs em uma missão onde deve proteger Jill, uma vampira da realeza que quase foi assassinada, fazendo com a menina não seja descoberta e permaneça segura. 
Durante a missão, as duas vão morar em um colégio interno alegando serem irmãs e a tarefa acabará sendo mais difícil do que o planejado.
Eu não li “Academia de Vampiros” antes da série Bloodlines, então não estou em posição para comparar as duas séries da Richelle Mead. Acredito que as explicações mais corridas sobre os Moroi, Strigoi e sobre o mundo criado pela autora são por isso, tudo já foi explicado em Academia de Vampiros. Isso não atrapalhou minha leitura, mas em alguns momentos onde algo que provavelmente aconteceu na outra série era mencionado, eu me senti um pouco perdida.
Sydney é organizada, metódica, seguidora de regras e certinha. Eu me vi muito na personagem, o que fez com que eu me interessasse pela vida dela e por tudo que estava acontecendo ao seu redor. Todos os personagens foram bem desenvolvidos e construídos. Achei Jill um pouco irritante em alguns momentos devido as suas inúmeras reclamações da vida e Adrian é realmente apaixonante. Ele é o típico personagem clichê com um ego enorme, engraçado, sarcástico, cheio de flertes, mas que no fundo tem um bom coração.
O enredo desenvolvido pela Richelle Mead foi inesperado em alguns pontos e bem previsível em outros. Achei que muitos dos conflitos menores foram resolvidos de forma rápida e fácil, sem deixar o leitor intrigado pensando no que pode estar acontecendo.
Fazia muito tempo que eu não lia sobre vampiros e preciso admitir que "Laços de Sangue" foi um ar fresco para essa mitologia. A narrativa da autora é rápida, dinâmica e é difícil soltar o livro no final, onde tudo começa a fazer sentido. É um bom livro para entreter e passar o tempo.
Pretendo começar a ler Academia de Vampiros, mas não tenho certeza se irei prosseguir com as duas séries, que são bem longas. Vou esperar para ver como a autora vai desenvolver a história e os personagens no decorrer de Bloodlines.

7 de novembro de 2013

Resenha: "Maus" - Art Spiegelman

“Maus” é um relato do holocausto em forma de graphic novel escrito por Art Spiegelman. O material do livro é retirado de conversas que o autor tinha o pai Vladek, sobrevivente dos campos de concentração.
No livro, os nazistas são desenhados como gatos, os judeus como ratos, os poloneses como porcos e os americanos como cães. Eu achei esse ponto algo muito positivo na narrativa, deixando bem visível quem era quem e foi bem inovador.
A narrativa principal do livro é Art conversando com seu pai sobre as experiências dele no holocausto já muitos anos depois da guerra. Durante as conversas, os desenhos que mostram a vida de Vladek no campo de concentração são adicionados. Isso fez o livro se tornar muito real, honesto e impactante. As cenas da narrativa principal deixa muito visível os impactos da guerra na vida de Vladek e como alguém que perdeu tudo e todos, segue em frente.
Eu gosto muito de ler relatos sobre esse período da história e “Maus” me surpreendeu muito. Vladek conta sobre a rotina nos campos de concentração com muitos detalhes, sobre as trocas de favores, sobre como ele conseguiu sobreviver até o final, sobre a comida, os trabalhos forçados e sobre todas as atrocidades cometidas com seres humanos.
Meus olhos se encheram de lágrimas em diversos momentos. Não tem como não se emocionar com a história desse livro, Vladek realmente reflete o que sentiu durante o período. As partes mais difíceis de ler foram as que falavam sobre Anja, mãe de Art. 
É um livro bem pesado e uma leitura muito densa. Foi diferente dos outros relatos que eu já li por dois motivos: um é a narrativa, não é o sobrevivente simplesmente contando o que aconteceu. É uma conversa entre pai e filho onde Art tenta entender um pouco o que Vladek passou. Outro é o formato de graphic novel, que torna todas as palavras visíveis.

Acho que não importa quantos relatos eu leia, sempre vai ser diferente e sempre vai me mostrar que o número grande de mortes do livro de história é composto por várias pessoas, que tinham família, sonhos e uma vida. Maus” entrou na minha lista de livros favoritos e eu recomendo muito. 


2 de novembro de 2013

NaNoWriMo [1]

Esse post esta saindo um pouco atrasado, mas eu comentar sobre o NaNoWriMo aqui no blog. Vários blogs já fizeram posts falando sobre o que é, mas uma descrição rápida é:
NaNoWriMo = escrever uma história de 50.000 palavras durantes os 30 dias de novembro.
Escrevendo 1,666 palavras por dia, você chega lá. Minha dica principal é: muita disciplina. Reserve um momento do seu dia para escrever e escreva;
Eu participei ano passado do Camp NaNoWriMo em junho, mas esse ano decidi que queria fazer o projeto original, em novembro. Esse ano está sendo bem mais divertido porque várias blogueiras também estão participando, então tem vários writing sprints no twitter e apoio emocional durante essa loucura.
Minha experiência com o projeto foi muito boa, é uma forma de se forçar a sentar e escrever e não ficar protelando e protelando. É uma forma de ter um rascunho da sua história pronto para ser melhorado (porque minha teoria é assim: você pode escrever uma história em um mês, mas não pode escrever algo muito bom em um mês)
Sobre o meu NaNoWriMo desse ano:
É uma história que eu já venho pensando faz muito tempo, mas todas as vezes que eu tentei escrever, acabei não gostando. Vou utilizar o NaNoWriMo para começar o zero e ver se assim, eu gosto um pouco mais do resultado.
O tema é algo bem pessoal, sobre o ano do vestibular da minha personagem que (surpresa) tem várias situações em comum com o meu ano do vestibular. Não é autobiográfico (nem perto disso), mas é impossível escrever sobre isso sem colocar algumas experiências minhas na história.
É uma história que eu sinto que preciso escrever e estou muito animada.
Estou escrevendo esse post no final do sábado (02/11) e já tenho 4,103 palavras escritas. Foi um ótimo inicio e eu realmente espero que consiga continuar assim durante a semana!
Espero que eu consiga fazer posts durante o mês atualizando vocês como meu NaNoWriMo está indo. Algum de vocês já participou antes ou esta participando esse ano? Como está o progresso de vocês?
Gabi