29 de dezembro de 2013

Melhores Leituras de 2013


Quem acompanhou as minhas leituras do ano passado deve ter percebido que a quantidade de livros lidos caiu pela metade em 2013. O principal motivo foi o vestibular, mas além disso, posso dizer que troquei a quantidade pela qualidade das minhas leituras. Eu li muitos livros bons, conheci o trabalho de autores incríveis e isso tornou a escolha dos meus 10 livros favoritos bem difícil. 

Enfim, a escolha foi feita e eu espero que vocês gostem!

           

Quais foram os melhores livros que vocês leram em 2013?

23 de dezembro de 2013

Tag: 12 livros para 2014


Vi essa tag no canal da Tatiana Feltrin e como eu sou uma pessoa que adora fazer listas de metas, resolvi responder. Espero que eu não acabe deixando essa lista de lado com as minhas novas compras e com todos os lançamentos do ano que vem. 

           

Quais livros vocês querem ler em 2014?

19 de dezembro de 2013

Livros para o Verão


Para as pessoas que gostam do clima do verão e gostam de combinar estações do ano com livros que remetem os mesmos sentimentos, eu resolvi fazer esse post com livros que eu gosto bastante e que me lembram o clima do verão. Selecionei esses que são bem leves, divertidos e eu espero que vocês gostem!























A Caminho do Verão - Sarah Dessen - Eu recomendo qualquer livro da Sarah Dessen para ser lido durante as férias de verão, a maioria se passa durante esse período e as histórias e personagens são muito bem construídos. Esse foi o primeiro que li da autora e envolve um romance muito fofo, bicicletas, insônia e conversas durante madrugadas. 

Amy & Roger's Epic Detour - Morgan Matson - Verão também é uma boa época para tentar ler um livro em inglês! Esse vai envolver uma road trip, trilhas sonoras, desvios e uma ótima história.

A Seleção - Kiera Cass - É uma distopia bem leve de ser lida, a autora acaba focando mais na competição para a futura rainha e no romance do que o governo e o lado distópico. O último volume será lançado no ano que vem, então podem aproveitar as férias para ler os dois primeiros e ficar na agoniante espera para o final.

Where'd you go Bernadette - Maria Semple - Não é um livro jovem adulto, mas é uma história muito inovadora e divertida. Bernadette é uma personagem incrível e os acontecimentos desse livro rendem ótimas cenas.





















Orgulho e Preconceito - Jane Austen - O período de férias também é ótimo para ler clássicos, já que, normalmente eles requerem mais tempo e dedicação na hora da leitura. Orgulho e Preconceito é um dos meus clássicos favoritos (que não é triste/pesado/depressivo) e depois da leitura você pode assistir as diversas adaptações de filmes/séries que já foram feitas!

Anna e o Beijo Francês - Stephanie Perkins - Escolhi o 'Anna' para representar os dois livros da autora, que são muito fofos e adoráveis. Os personagens são incríveis e os enredos são apaixonantes.

A Irmandade das Calças Viajantes - Ann Brashares - Eu li esse livro faz bastante tempo já e quero até reler assim que possível. É sobre quatro amigas que vão para lugares diferentes durante o verão e continuam unidas e mantendo contato por meio de uma calça jeans que estranhamente, serve em todas elas. 

12 de dezembro de 2013

Resenha: Garota, Interrompida - Susana Kaysen

Girl, Interrupted é um conjunto de pequenos fragmentos que relatam o período que Susana Kaysen passou em um hospital psiquiátrico. Ela tinha dezoito anos quando após uma tentativa de suicídio ingerindo cinquenta pílulas de aspirina, foi diagnosticada e internada voluntariamente.
O livro não é narrado de forma linear, os capítulos mostram pedaços da sua vida no hospital e um pouco dos pensamentos dela sobre tudo que estava acontecendo em sua vida. O leitor não tem uma visão ampla sobre os acontecimentos e sobre o que Kaysen sentia até os últimos capítulos do livro, onde, muitos anos depois, ela analisa o seu diagnóstico.
Doenças mentais não são curadas, a pessoa apenas aprende a lidar com ela da melhor maneira possível. O livro é ambientado nos anos 60, onde o diagnóstico e a aceitação dessas doenças não é como hoje, era uma realidade diferente e através da narrativa da autora, ela passa como os doentes eram tratados e vistos.
Os fragmentos são compostos também por cenas entre Susana e suas companheiras de hospital. Todas as cenas são diretas, sem muitas explicações e enrolações de narrativa. A essência do livro é facilmente perceptível através das palavras da autora. É perceptível um pouco da forma de como ela se sentia deslocada no mundo, sentindo-se completamente sozinha por não querer as mesmas coisas que todos os outros.
Susana Kaysen analisa também o que é ter um distúrbio de personalidade e vários outros tópicos referentes a isso. Foram às partes que eu mais gostei do livro, quando ela permitia que eu entrasse em sua mente e conseguisse entender um pouco do modo que ela pensa. Ela analisa seus pensamentos de suicídio e seus problemas de imagem e aceitação na sociedade.
“Garota, Interrompida” é um livro denso, sem muitos momentos leves a autora mostra a realidade de hospitais psicológicos nos anos 60 e a realidade de sua mente complicada de se entender. Eu pessoalmente, gosto muito de livros com essa temática e esse me deixou pensando muito em tudo que a autora escreveu.  Recomendo.

7 de dezembro de 2013

Resenha: O Retrato de Dorian Gray - Oscar Wilde

“The Picture of Dorian Gray” tem um dos enredos mais intrigantes que eu já me deparei. Dorian Gray vende sua alma para permanecer jovem para sempre, enquanto a imagem do seu retrato envelhece. Seguindo por essa premissa, Oscar Wilde apresenta diversos pensamentos, diálogos e questionamentos durante o livro.
Dorian Gray era um menino inocente que não tinha muita noção do tamanho da sua beleza, até Lord Henry apontar isso para ele e dizer que Dorian deveria aproveitar seus anos de juventude visto que logo iriam chegar a um fim. Então, Dorian Gray comenta como ele queria que fosse possível uma magia que o fizesse permanecer jovem e o quadro que Basil Hallward estava pintando envelhecesse. Quando o jovem percebe que seu desejo, por algum motivo, virou realidade, ele entra em uma vida cheia de pecados e corrupções.
O que me levou gostar do livro como eu gostei, vai além do enredo e dos personagens. A narrativa do Oscar Wilde é maravilhosa, ele soube juntar palavras comuns e formar frases e parágrafos magníficos. Em diversos momentos eu me vi lendo e relendo algumas passagens, encantada com a perfeição e com a maneira que o autor transmite seus pensamentos para o leitor.
Através dos diálogos – muito bem construídos – dos personagens, pode-se perceber o posicionamento deles sobre diversos assuntos, que renderiam horas e horas de discussão. Eu não concordei com todas as afirmações, mas todas me deixaram pensando e refletindo sobre o que os personagens pensavam. Apesar de o livro ter sido publicado em 1890, muito pode ser visto na sociedade dos dias de hoje.
Dorian Gray é um personagem muito bem construído e o desenvolvimento dele durante o decorrer da história é muito bem feito. O livro mostra muito a influência de pessoas na vida de outras e como uma pessoa pode buscar desculpas e razões por suas ações, nunca sendo culpa de quem realmente comete os atos.
Oscar Wilde narra esse livro com uma simplicidade admirável, muitos clássicos são dotados de linguagens rebuscadas e de difícil compreensão, mas "O Retrato de Dorian Gray" é de fácil compreensão e eu me conectei com a história e com os personagens a ponto de não querer que o livro terminasse.

O livro é muito mais do que eu consegui colocar nessa resenha, é uma daquelas histórias que marca o leitor e que com certeza, vou reler muitas vezes no futuro. 

3 de dezembro de 2013