28 de abril de 2014

Resenha: Assassinato no Expresso do Oriente - Agatha Christie

 “Assassinato no Expresso do Oriente” é o segundo livro da Agatha Christie que eu leio e novamente, fui surpreendida. Em uma viagem no Expresso do Oriente, estranhamente cheio para a época do ano, um passageiro americano é assassinado em sua cabina durante a noite. O trem estava parado devido a uma nevasca, eliminando a possibilidade do assassino ter escapado.
O primeiro livro da autora que eu li, teve a Miss Marple como detetive e agora pude conhecer o Hercule Poirot. A troca de detetive trouxe um clima bem diferente para esse livro, bem mais dinâmico e direto. Poirot começa conversando com cada um dos passageiros e vai juntando as pistas e aquelas frases ditas sem querer para formular a solução final.

Acho que muitas vezes eu achei a troca de capítulos e os diálogos diretos demais. Isso permitiu que eu lesse o livro incrivelmente rápido e que a narrativa fosse bem dinâmica, mas senti que faltou uma espécie de recheio entre os diálogos corridos. 
A narrativa é em terceira pessoa, mas o narrador só introduz falas dos personagens e comenta por cima as ações de cada um. Ele não participa da história, apenas observa. No fim, o leitor conhece apenas aquilo que Poirot decide compartilhar com seus companheiros que estão ajudando-o a desvendar o crime, deixando a grande revelação apenas para o final.
Eu não fazia ideia de quem era o assassino e durante muitas partes não tinha nem sequer um suspeito em mente. Muitas pistas falsas foram colocadas na cena e muitas mentiras foram ditas pelos passageiros. Realmente, o final foi uma surpresa, mas também foi extremamente bem montado e todas as pontas soltas foram explicadas.

É uma leitura extremamente envolvente e como sempre nos livros policiais que eu leio, só consigo soltar o livro quando termino. Recomendo muito!

24 de abril de 2014

Tag: Arco-Íris Literário

O vídeo dessa semana é uma tag que eu vi no blog Garota It e eu achei interessante responder. Escolhi livros que normalmente não aparecem nos vídeos e as resenhas foram postadas já faz algum tempo aqui no blog, mas que eu gosto bastante e recomendo. Espero que vocês gostem!

21 de abril de 2014

Resenha: A Idade dos Milagres - Karen Thompson Walker

Em um dia como qualquer outro, as pessoas recebem a notícia de que a velocidade de rotação da Terra está diminuindo. Os dias e noites ficam mais longos, a natureza começa a sofrer as consequências e os seres humanos precisam se adaptar da melhor forma possível.
A personagem central da história é Júlia, uma menina de onze anos que além do problema da rotação da Terra, ela precisa lidar com questões do seu dia-a-dia: os problemas no casamento dos seus pais, o menino que ela tem uma quedinha e sua melhor amiga que começou a ignorá-la. Eu gostei dos personagens e de como a autora apresenta suas reações aos acontecimentos. As reações variam bastante; alguns começam a ter crises de pânico enquanto outros preferem continuar vivendo como se nada anormal estivesse acontecendo.
“A Idade dos Milagres” é um livro com um enredo interessante e personagens que humanizam os acontecimentos. A narrativa da autora é rápida, os capítulos curtos e o leitor se vê envolvido na história, querendo saber o que vai acontecer em seguida.
No geral, eu gostei bastante da leitura. É um livro que alcançou as expectativas que eu tinha e cumpriu o seu propósito. O livro mostra a capacidade de adaptação do ser humano a situações fora do comum, mostra como algumas pessoas preferem simplesmente ignorar a realidade a se preocupar com o que acontece e como outras fazem da dificuldade sua vida.

O desenvolvimento do enredo foi muito bem feito, a autora transcreve muito bem as mudanças que a realidade das pessoas vai sofrendo e como tempo vai influenciando em tudo isso. 
Eu gostaria de ter lido mais sobre alguns personagens e saber um pouco mais as suas visões do que estava acontecendo, a narrativa em primeira pessoa pelos olhos de Júlia impediu que o leitor tivesse uma visão mais ampla dos acontecimentos. Provavelmente eu teria gostado muito mais se a autora tivesse escrito o livro em terceira pessoa, eu senti que muito ficou faltando justamente por se além da narrativa em primeira pessoa.

Recomendo a leitura. O enredo é muito envolvente, você realmente consegue se colocar no lugar dos personagens e imaginar como seria estar na situação deles. 
(e eu preciso comentar da capa maravilhosa que brilha no escuro!)

17 de abril de 2014

Desafio do Livro Vendado

O vídeo de hoje consiste em um desafio muito divertido onde eu - estando vendada - preciso descobrir os dez livros escolhidos pela minha irmã. Confesso que é mais divertido assistir o vídeo dos outros do que gravar (é difícil). Enfim, para descobrir quantos eu consegui acertar é só assistir o vídeo!

14 de abril de 2014

Resenha: Vozes Roubadas - Organizado por por Zlata Filipovic e Melanie Challenger

“Vozes Roubadas” é um compilado de quatorze diários de guerra escritos por crianças e jovens ao redor do mundo. Abrange desde a Primeira Guerra Mundial até a Guerra no Iraque, proporcionando o leitor uma visão de quem passou por situações tão distantes da nossa realidade.
Esse não é o primeiro livro sobre guerras que eu leio e com certeza não será o último. É um assunto que por mais cruel e difícil de ler que seja, chama muito a minha atenção. Vozes Roubadas é um livro cruel do inicio ao fim. Não existem momentos mais leves, momentos que permitam ao leitor um respiro de alívio.
Esses são apenas quatorze jovens, dos milhares que tiveram suas vidas retiradas ou prejudicadas devido as guerras. Relatos sobre esses períodos sempre os tornam mais humanizados na minha mente. É tão fácil ler os grandes números de mortos nos livros de história, mas no momento que uma das unidades ganha nome, idade, endereço e personalidade, tudo se torna extremamente mais difícil.
Por meio dos diários, podemos ver como esses jovens tiveram suas infâncias arruinadas. Como eles foram obrigados a lidar com situações tão desumanas tão cedo na vida, perdendo a inocência infantil. 
Em todos eles (diários) reconheço os momentos de desespero, de confusão, injustiça e dor; a consciência da perda da infância, da juventude e da inocência sobre a qual eu mesma escrevi, pensei ou senti. Também reconheço as instancias menos esperados dos eventos mais simples de cada dia, bem como a continuidade da vida e do processo de crescimento, da esperança, do desejo pela natureza, pela música, pelo humor, pelos planos, das ambições e da jovialidade – apesar da existência da guerra, essa coisa terrível e negra feita para “engolir” a vida.  – Zlata Filipovic – Bosnia-Herzegovina
Não é uma leitura fácil de fazer, eu precisei fazer várias pausas entre um diário e outro para poder me recompor e seguir em frente. É uma leitura pesada e densa. Apesar de se encontrarem em situações extremas, são adolescentes como todos os outros, mas que acabam vendo a vida com olhos diferentes, acabam valorizando momentos diferentes. Momentos como poder ter alguns minutos fora de casa,  ter algo para comer, ter um pouco de água e de acordar sem ouvir bombas caindo ao lado da sua janela.
Sinto muito se aos seus olhos eu pareço fria, diário, mas é o que acontece depois de se ver tantos cadáveres e tanto derramamento de sangue – Shiran Zelikovich – Israel
Vozes Roubadas mexeu comigo. É uma sensação de inconformidade e desconforto durante e depois da leitura. São relatos incríveis e cruéis sobre momentos importantes da história mundial. Recomendo muito a leitura, o livro virou um dos meus favoritos.

10 de abril de 2014

Top 10: Livros que me Influenciaram


O vídeo dessa semana (estou conseguindo fazer um por semana!) é uma tag onde eu comento sobre 10 (na verdade eu falei sobre 11) livros que influenciaram de alguma maneira na minha vida até agora. Espero que vocês gostem!

             

7 de abril de 2014

Resenha: Carta a D. - André Gorz

André Gorz foi um filósofo austro-francês nascido em 1923 e o primeiro livro que eu li do autor, foi o último que ele escreveu e publicou. Pesquisei um pouco da vida do autor e cheguei a conclusão que “Carta a D.” não reflete exatamente o resto do trabalho dele, é um livro diferente com um propósito diferente.
O livro é uma espécie de carta do autor para sua esposa Dorine, que foi diagnosticada com uma doença terminal. Logo nas primeiras páginas ele comenta que apesar da enorme importância que ela teve em sua vida, ele nunca chegou a mencionar ela honestamente em um livro.
Em cerca de sessenta páginas, André Gorz conta a história de como ele e Dorine se conheceram e como suas vidas seguiram a partir desse encontro. Ele adiciona suas visões de mundo, no que ambos acreditavam e também em ideias onde seus pensamentos divergiam.
“Nós tínhamos um mundo em comum, do qual percebíamos aspectos diferentes. Essas diferenças eram a nossa riqueza”.
É uma narrativa simples e é visível que o intuito do autor era exatamente isso. Escrever honestamente sobre sua mulher e sobre suas vidas. Ainda assim, é um livro bastante significativo. André Gorz narra essa carta brilhantemente transferindo para o leitor seus pensamentos e emoções. Pode-se ver como Dorine era importante para o autor e como ele não conseguia imaginar uma vida sem ela.
Em 2007, o casal cometeu suicídio por esse motivo. A vida sem o outro não teria mais importância. O autor não chega a comentar sobre a ideia de suicídio na carta, contudo é claramente perceptível a dependência que um tinha do outro.
“No final das contas, só uma coisa me era realmente essencial: estar com você. Eu não posso me imaginar escrevendo se você não mais existir. Você é o essencial sem o qual todo o resto, importante apenar porque você existe, perderá o sentido e a importância”.
É uma história muito bonita, forte e o autor sobre transcrever seus pensamentos de uma forma magnifica para meras palavras em um papel. É um livro curto, mas muito completo e bem escrito.

3 de abril de 2014

Leituras de Março (2014)


Chegamos ao fim de mais um mês e eu tenho cinco leituras interessantes para comentar. Os gêneros são bem diferentes e um deles ganhou um espaço na minha lista de livros favoritos. Algumas resenhas já foram postadas e as outras irão ao ar no decorrer das próximas semanas.



O começo de tudo - Robyn Schneider
A Invenção das Asas - Sue Monk Kidd